Nesta semana, uma foto viralizou nas redes sociais ao expor um antigo problema das câmeras digitais em medir corretamente os diferentes tons de pele das pessoas fotografadas.

A imagem em questão foi postada no Twitter pelo jogador da NFL, Prince Amukamara. Ao tirar uma foto em grupo, o jogador praticamente desapareceu da imagem.

Geralmente, os softwares das câmeras optam por medir as áreas mais brilhantes da foto em vez das sombreadas – ou pelo menos uma região que apresente um meio-termo entre as duas.

O problema disso é que as câmeras podem não representar com precisão todos os tons de pele, principalmente os mais escuros, fazendo com que as pessoas fiquem desbotadas, artificialmente brilhantes ou escuras demais.

Foto viral da NFL

Essa falha de renderização vem desde as câmeras digitais e só piorou nos smartphones. Como os sensores dos celulares são menores, as câmeras têm mais dificuldade em medir realces e sombras.

No caso da foto viral, a câmera do smartphone não reconheceu uma diferença significativa entre a escuridão do fundo e a pele de Amukamara, resultando em uma extrema subexposição.

Além disso, como as outras duas pessoas da foto estavam em primeiro plano, tinham tons de pele claros e ainda estavam utilizando roupas brancas, a câmera fez com que a imagem do jogador da NFL se misturasse ao fundo.

Diante da repercussão da foto, o Google acabou se envolvendo na discussão e aproveitou para divulgar uma tecnologia que está sendo desenvolvida pela empresa.

Real Tone

O Google está empenhado em desenvolver a tecnologia “Real Tone”, que tem o objetivo de garantir que todas as câmeras e produtos de imagem da empresa consigam representar com precisão todos os tons de pele.

A ideia era lançar uma câmera mais racialmente inclusiva. Para isso, o Google procurou especialistas e engenheiros para resolver a questão, o que culminou no lançamento do recurso nos aparelhos Pixel 6 e Pixel 6 Pro.

“As fotos são profundamente pessoais e desempenham um papel importante na formação de como as pessoas o veem e como você se vê. Mas os preconceitos históricos no meio da fotografia foram levados a algumas das tecnologias de câmeras atuais, levando a ferramentas que não viram as pessoas de cor como elas querem e deveriam ser vistas”, escreveu o Google na época do lançamento.

Para representar melhor os tons de pele, o Pixel 6 utiliza seis sistemas diferentes: detecção de rosto, balanço de branco automático, exposição automática, redução de luz difusa, desfoque de rosto e algoritmos de aprimoramento automático.

Na última semana, por coincidência, o Google havia exibido um comercial promovendo a tecnologia do Real Tone, durante o Super Bowl, nos Estados Unidos. O vídeo pode ser visto abaixo.