Você pode fazer uma espécie de seguro ao enviar objetos pelo correio, através da declaração de valor: pagando um valor extra, você é ressarcido caso o objeto seja extraviado ou danificado.

Sim, isso dá margem a fraudes, mas esta não é uma coisa muito esperta de se fazer – especialmente quando o plano parece feito para dar errado.



Tome, por exemplo, Nathan Meunch e seu amigo. No Reino Unido, eles tentaram fingir que uma caixa de papelão pingando e cheia de gelo na verdade levava R$ 9.000 em iPads – e claro que eles foram pegos.

Tudo começou assim: Meunch entrou em uma agência dos correios em Wellington (Inglaterra) usando um casaco visivelmente úmido. Ele tentou explicar isso a Elaine Sloane, funcionária do Royal Mail: estava chovendo lá fora. Só que ela viu que não estava chovendo.

Mesmo assim, ela ouviu educadamente que ele gostaria de enviar uma caixa supostamente contendo 2.500 libras (cerca de R$ 9.000) em iPads. E o endereço para devolução? Bem, ele não conseguia se lembrar do CEP.

A funcionária, por algum motivo, decidiu não questionar o mentiroso, e aceitou o pacote. Cerca de uma hora mais tarde, outro funcionário notou que aparentemente os iPads estavam excretando água a um ritmo alarmante – o que é mais alarmante dado que iPads não soltam água. “Nós demos uma olhada e dava para ver que só havia gelo lá dentro”, disse Sloane no tribunal.

E mesmo assim o pacote foi cadastrado, remendado e enviado ao seu destino (??!). Depois de pouco tempo, os correios receberam do destinatário Nigel Bennett o pedido para restituir os R$ 9.000, já que os iPads não estavam na caixa.

Só então a fraude foi descoberta. Meunch diz que Bennett, dono de uma casa de shows, pediu para ele enviar o pacote pelo correio e preencher o formulário de seguro, mas que não sabia do golpe. Isso é meio difícil de acreditar pois, como dissemos antes, iPads não viram água. O advogado de Bennett disse que seu cliente aplicou o golpe porque estava sem dinheiro para continuar alugando o local da casa de shows.

Mas não adiantou: os dois golpistas foram condenados, cada um, a 12 meses de serviço comunitário, 150 horas de trabalho não-remunerado para os tribunais, e uma multa de aproximadamente R$ 1.800. O que pode parecer uma punição relativamente pequena, é claro, mas a vergonha, meus amigos? Essa dura para sempre. [Shropshire Star e Mirror]