Como demonstrado em um protesto virtual no início desta semana, funcionários do Facebook não estão muito felizes com a recusa da empresa em remover postagens incendiárias e enganosas feitas pelo presidente Donald Trump. Agora, graças a uma série de documentos internos obtidos pelo Washington Post, temos uma imagem mais clara de como os trabalhadores estão cansados da propensão da gerência por dar aos políticos um passe livre em suas plataformas.

Na última terça-feira, o Facebook realizou um encontro de emergência depois de receber críticas fortes por sua decisão de deixar online um post do presidente dos EUA, no qual glorifica a violência e ameaça os manifestantes dizendo: “Quando o saque começa, o tiroteio começa”.



Antes deste encontro emergencial, os trabalhadores foram consultados sobre as questões que eles queriam que o CEO Mark Zuckerberg respondesse, de acordo com a reportagem do Washington Post. A pergunta que ele mais teve foi: “Podemos mudar nossas políticas em torno da liberdade de expressão para políticos? A verificação de fatos e a remoção do discurso de ódio não devem ser isentas para os políticos”.

Funcionários sinalizaram preocupações semelhantes no quadro de mensagens interno do Facebook, de acordo com mais de 200 postagens revisadas pelo Washington Post. A aparente falta de vontade do Facebook em responsabilizar Trump pelos mesmos padrões que seus outros usuários deixou muitos funcionários questionando se a empresa estava em algum tipo de “relacionamento abusivo” com o presidente.

“Qual é o objetivo de estabelecer um princípio se vamos mover as postagens alvo toda vez que Trump escala seu comportamento”, perguntou o engenheiro de software Timothy Aveni em um post no fim de semana em um quadro de mensagens interno do Facebook. Ele deixou a empresa nesta semana, atribuindo sua decisão à falta de ação de Zuckerberg.

“Meu filho faz basicamente a mesma coisa para testar os limites”, escreveu outro funcionário.

“Estou realmente incomodado com a sessão de perguntas e respostas de hoje”, disse um funcionário negro depois do encontro de terça-feira. “Ouvimos o que os líderes do país e nossos executivos apoiam e sabemos que a política importa mais do que as vidas negras”.

Outros documentos internos obtidos pelo Washington Post mostram que Zuckerberg e a chefe de operações, Sheryl Sandberg, se reuniram com vários executivos negros nos sábado para discutir objeções e preocupações sobre a decisão da empresa de manter o cargo. Como resultado dessas conversas, o grupo concordou em pesar com mais frequência nas decisões de política de conteúdo do Facebook e em se reunir com mais frequência com Zuckerberg e Sandberg no futuro.

Durante este encontro de terça-feira, Zuckerberg defendeu sua decisão anterior, mas acrescentou que está aberto a rever as políticas do Facebook sobre a violência cometida por autoridades. Ele também disse que está passando em incorporar algum tipo de opção de rotulagem de conteúdo — como a que o Twitter fez com os tuítes de Trump — para criar um meio termo para posts controversos como este.

Como alternativa, Zuckerberg poderia fazer o certo, como o que ele mesmo propôs em declarações ao Congresso dos EUA no ano passado, em que ele destacou especificamente em depoimento à congressista Alexandria Ocasio-Cortez que: “Se alguém, incluindo um político, está dizendo coisas que podem causar, violência ou provocar danos físicos iminentes, removeremos esse conteúdo”.