O futebol inglês vai  boicotar as redes sociais neste fim de semana para protestar contra “o abuso discriminatório contínuo recebido online por jogadores e outras pessoas ligadas ao futebol”. O boicote tem o apoio da Premier League e da FA, a federação inglesa, além de outros grupos ligados ao esporte.

A ação é o esforço mais direto já feito por um esporte para pressionar empresas de mídia social como Twitter, Instagram e Facebook a tomar medidas contra o abuso online, e vem depois de uma temporada em que jogadores, clubes, executivos de times, árbitros, comentaristas femininos e outros fizeram foram alvos de abusos.

Em fevereiro, os principais executivos da federação escreveram uma carta aberta a Jack Dorsey, o presidente-executivo do Twitter, e a Mark Zuckerberg, o CEO do Facebook, pedindo aos líderes que ponham fim aos “níveis de abuso perverso e ofensivo” dos usuários em suas plataformas. No passado, Instagram, Facebook e Twitter tomaram medidas, como banir usuários temporária ou permanentemente, mas os problemas de abuso online persistiram.

Em um comunicado à imprensa na semana passada anunciando o boicote às redes sociais, que acontecerá de sexta à tarde a segunda-feira, o futebol inglês pediu ao Reino Unido que “introduza uma legislação forte para tornar as empresas de mídia social mais responsáveis ​​pelo que acontece em suas plataformas”.