Quando eu dei ao aplicativo de namoro LoveFlutter acesso ao meu Twitter, ele me recompensou com uma análise de 28 partes da minha personalidade: Eu sou um tipo A analítico, que tem um foco perturbador em sexo e é neurótica (99 por cento). Na barra lateral onde o meu “Retrato de Personalidade” é dividido em mais detalhes, uma seção chamada “Conselho de Flerte” fala: “Faça o seu melhor para evitar ser negativa. Chegar ao ponto rapidamente e não perder o tempo dos pretendentes. Eles podem ficar impacientes se você está se movendo muito lentamente.” Eu sou um partidão!

Loveflutter, um aplicativo de namoro do Reino Unido baseado no Twitter, não me pede para preencher um teste personalidade ou um longo Sobre Mim (ele limita minha auto-descrição em lindos 140 caracteres). Em vez disso, ele está em parceria com a empresa de processamento de linguagem Receptiviti.ai para calcular a compatibilidade entre mim e sua base de usuários usando o conteúdo dos nossos feeds do Twitter. Isso é bom para criar pares ou não passa de um truque? Como uma neurótica louca por sexo, eu acho que você sabe qual a minha posição.

Aplicativos de encontro prometem nos conectar com as pessoas com quem supostamente deveríamos estar teoricamente melhor do que nós mesmos. Às vezes funciona, às vezes não. Mas, conforme algoritmos de aprendizagem da máquina se tornam mais precisos e acessíveis do que nunca, as empresas de namoro vão ser capazes de aprender mais precisamente quem somos e com quem nós “devemos” ir a encontros. Como nós nos encontramos online está prestes a mudar. O futuro é brutal e nós estamos no meio do caminho.

Levantamentos de “personalidade”

Hoje, empresas de namoro caem em dois campos: sites como o eHarmony, Match, e OkCupid que pedem para os usuários preencherem longos testes pessoais e responder a questionários de personalidade que eles usam para juntar membros por compatibilidade (embora quando se trata de prever atração, os pesquisadores acham essas pesquisas duvidosas). Perfis como estes são ricos em informações, mas eles levam tempo para preencher e dão aos usuários amplo incentivo para mentirem (fazendo perguntas como: “Qual a frequência que você se exercita?” ou “Você é bagunceiro?”). Por outro lado, empresas como Tinder, Bumble, e Hinge pulam estas pesquisas e ensaios longos, ao invés disso pedem aos usuários para vincularem suas contas de mídias sociais. Tinder preenche perfis com artistas do Spotify, amigos e curtidas do Facebook e fotos do Instagram. Em vez de combinar usuários por “compatibilidade”, esses aplicativos funcionam em fornecer um fluxo de corpos sensuais o mais rápido possível.

 

“Sobre o que aprendemos, nós tivemos alguns resultados bem perturbadores que eu não quero compartilhar. Eles foram bem ofensivos.”

 

É verdade que nós revelamos mais de nós mesmos em mensagens do Twitter, curtidas no Facebook, fotos no Instagram e check-ins no Foursquare do que imaginamos. Nós damos aos aplicativos de namoro acesso a essas informações e mais: quando uma jornalista do The Guardian pediu para o Tinder todas as informações que tinham sobre ela, a empresa enviou um relatório de 800 páginas. Soa assustador? Talvez. Mas quando eu trabalhava como engenheira e cientista de dados no OkCupid, fluxos maciços de dados como estes me faziam sofrer.

No futuro, aplicativos como o Tinder podem ser capazes de inferir mais sobre nossas personalidades e estilos de vida através da nossa atividade de mídia social do que um questionário do eHarmony jamais poderia. Os pesquisadores pensam que já podem prever o quão neuróticos estamos através dos nosso check-ins do Foursquare, ou se estamos ou não deprimidos por causa dos nossos Tweets e os filtros que escolhemos no Instagram, e o quão inteligentes, felizes e propensos a usar drogas somos de acordo com nossas curtidas de Facebook.

Além do mais, a relação entre o nosso comportamento online e o que isso implica sobre nós é muitas vezes intuitiva. Um estudo de 2013 da Universidade de Cambridge, que analisou a ligação entre as curtidas de Facebook e traços de personalidade descobriu que os maiores preditores de inteligência estavam curtindo “Science” e “The Colbert Report” (não surpreendentemente), mas também “Tempestades” e “Batatas Fritas”. Essa conexão pode desafiar a lógica humana, mas o que isso importa se você está alimentando um algoritmo de personalidade em um algoritmo de formar casais?

Vigilância da mídia social

Pelo fato dos nossos indicadores de personalidade poderem ser sutis, e nós não tendermos a curar a nossa atividade no Facebook tanto quanto nós podemos controlar um perfil de namoro, talvez haja mais integridade de dados do que o que os usuários voluntários respondem nas pesquisas.

 

“Eu acho que seria interessante se o OkCupid te questionasse conforme você preenche seu perfil.”

“Minha reação inicial ao namoro online é que as pessoas podem apresentar uma versão que é realista”, disse Chris Danforth, professor Flint de Matemática, Natural e Ciências Técnicas da Universidade de Vermont que estudou a ligação entre Instagram, Twitter e depressão. “Mas o que parece ser revelado cada vez que um desses estudos sai é que parece que revelam mais sobre nós mesmos do que nos damos conta, talvez não tanto em pesquisas solicitadas, mas no que fazemos. As curtidas de alguém no Facebook podem ser um melhor preditor para definir se você iria se dar bem com alguém do que as respostas de uma pesquisa”.

Os dados também podem ser usados para manter os usuários honestos quando eles estão fazendo suas contas. “Eu acho que seria interessante se o OkCupid te questionasse conforme você preenche seu perfil”, disse Jen Golbeck, um pesquisador que estuda a interseção dos meios de comunicação social e informação na Universidade de Maryland. “Poderia dizer algo como, ‘Eu analisei os seus gostos e parece que talvez você seja um fumante. Tem certeza de que quer escolher essa resposta? ‘”O aplicativo de namoro mais cínico poderia, ao invés, alertar a pessoa vendo o perfil que seu par pode estar mentindo.

As empresas poderiam usar as informações do comportamento online dos usuários para fazer alertas e impedir algumas pessoas de usarem seus serviços em primeiro lugar. Após a manifestação nacionalista branca em Charlottesville em agosto, alguns serviços de namoro pediram aos membros que relatassem supremacistas brancos para bani-los. Mas, no futuro, os aplicativos poderiam identificar sexistas/racistas/homofóbicos por sua atividade de mídia social e preventivamente colocá-los numa lista negra. (Talvez isso ajudaria também o problema da indústria com o assédio).

Mas eles também poderiam banir usuários que exibam traços de personalidade que supostamente não funcionam bem em relacionamentos. O eHarmony, por exemplo, rejeita os candidatos que já foram casados quatro ou mais vezes e aqueles cujas respostas à pesquisa indicam que podem estar deprimidos. Um futuro algoritmo distópico de namoro poderia identificar usuários que estão deprimidos ou que sofrem de ansiedade de acordo com suas postagens, curtidas ou tweets, e rejeitá-los.

 

Um futuro algoritmo distópico de namoro poderia identificar usuários que estão deprimidos ou que sofrem de ansiedade de acordo com suas postagens, curtidas ou tweets e rejeitá-los.

Algoritmos também podem usar o nosso comportamento online para aprender as verdadeiras respostas para perguntas que possam ser falsas em um questionário. Uma das perguntas correspondentes do OkCupid, por exemplo, pergunta: “Você faz bastante exercício?” Mas o MeetMeOutside, um aplicativo de namoro para pessoas esportivas, pede aos usuários para vincular seus Fitbits e provar que eles estão fisicamente ativos através de seus contagem de passos. Este tipo de dado é mais difícil de falsificar. Ou, em vez de perguntar a alguém se eles são mais propensos a sair ou deitar no sofá e ver Netflix numa sexta à noite, um aplicativo de namoro poderia simplesmente recolher esses dados do nosso GPS ou atividade do Foursquare e juntar os usuários igualmente ativos.

A religião do algoritmo

Também é possível que os computadores, com acesso a mais dados e poder de processamento do que qualquer ser humano, poderiam pegar os padrões que os seres humanos não percebem ou até mesmo não reconhecem. “Quando você está olhando o feed de alguém, você só tem acesso ao seu comportamento”, diz Danforth. “Mas um algoritmo teria acesso às diferenças entre o seu comportamento e um milhão de outras pessoas. Há instintos que você tem ao olhar o feed de alguém que podem ser difíceis de quantificar, e pode haver outra dimensão que não vemos … combinações não-lineares que não são fáceis de explicar”.

Assim, conforme algoritmos de namoro vão melhorando a aprendizagem sobre quem nós somos, eles também vão ficando melhor em aprender do que nós gostamos, sem nunca perguntar as nossas preferências. No momento alguns aplicativos fazem isso pelos padrões que deslizamos para direita ou para a esquerda um pretendente, da mesma forma que o Netflix aprende a fazer recomendações a partir dos filmes que já gostava no passado.

“Em vez de fazer perguntas sobre os indivíduos, trabalhamos exclusivamente com o comportamento como eles navegam através de um site de namoro”, diz Gavin Potter, fundador da RecSys, uma empresa que fornece o algoritmo para dezenas de aplicativos de namoro de nicho. “Ao invés de perguntar a alguém: ‘Que tipo de pessoas que você prefere? Idade de 50-60? Olhamos para quem ele está olhando. Se são loiras de 25 anos de idade, o nosso sistema começa recomendando loiras de 25 anos de idade. ”Dados do OkCupid mostram que os usuários heterossexuais do sexo masculino tendem a mandar mensagem para mulheres significativamente mais jovens do que a idade que eles dizem que estão procurando, então, fazer recomendações baseadas em seu comportamento ao invés de preferência auto-relatada é provavelmente mais preciso.

Algoritmos que analisam o comportamento do usuário também podem identificar padrões sutis, surpreendentes ou difíceis de descrever no que achamos atraentes – as características inefáveis que compõem um “tipo”. Ou ao menos alguns desenvolvedores de aplicativos parecem pensar assim.

“Se você olhar para as recomendações que nós geramos para as pessoas, você verá que todas elas refletem o mesmo tipo de perfil– todas morenas, loiras, de uma certa idade”, diz Potter. “Há mulheres em Houston que só querem sair com homens com barbas ou pelos faciais. Encontramos usuários da China que gostam de um tipo de mulher muito, hum, recatada.” Isso ele menciona em um tom que parece implicar um estereótipo que eu desconheceria. “Nenhum questionário que eu conheço captura isso”.

Naturalmente, nós podemos não gostar dos padrões que os computadores determinam que somos atraídos. Quando perguntei para Justin Long, fundador da empresa de inteligência artificial de namoro Bernie.ai, que padrões o software encontrou, ele não quis me dizer: “Sobre o que nós aprendemos, nós tivemos alguns resultados perturbadores que eu não desejo compartilhar. Eles eram bastante ofensivos”. Eu chutaria que os resultados foram racistas: Estatísticas do OkCupid mostram que mesmo que as pessoas dizem que não se importam com raça ao escolher um parceiro, eles geralmente agem dessa forma.

 

“É complicado pensar que tipo de informação eles poderiam dar aos anunciantes, especialmente se é informação que nós nem sequer sabemos sobre nós mesmos”.

“Eu, pessoalmente, tenho pensado sobre se o meu comportamento de aplicativo ou as pessoas que combinam comigo revelam preconceitos implícitos que eu mesma não estava ciente de tinha”, disse Camille Cobb, que pesquisa namoro tecnologia e privacidade na Universidade de Washington. “Nós só usamos esses aplicativos para encontrar pessoas que nos interessam, sem pensar. Eu não acho que os aplicativos estão necessariamente vazando isso de uma maneira que iria prejudicar a minha reputação – eles provavelmente estão fazendo isso para encontrar melhores pares – mas se eu gostaria de não ter esses preconceitos, talvez eu não queira que eles usem isso”.

Sede de dados

Mesmo se as empresas de namoro não estiverem usando nossos dados para prejudicar nossa reputação, eles podem usá-los para ganhar dinheiro. “É complicado pensar que tipo de informação eles poderiam dar aos anunciantes, especialmente se é informação que nós nem sequer sabemos sobre nós mesmos… Eu não fumo, mas talvez se eu deslizar para a direita um monte de caras que gostam de cigarros em minhas fotos, revele que eu acho que cigarros fazem você parecer legal”. Um anunciante pode descobrir que produtos nós achamos inconscientemente sexy, literalmente, e nos mostrar propagandas direcionadas.

No entanto, esses tipos de algoritmos de recomendação adaptadas procuram nos fazer arrastar mais para a direita. Conforme os aplicativos descobrem cada vez melhor quem nós gostamos e quem somos, eles podem tornar o arrastar, curtir e as mensagens obsoletas. Este foi o pensamento que o engenheiro canadense Justin Long teve quando ele construiu um “assistente de matchmaker pessoal” chamado Bernie.ai. Frustrado comparando o tempo que ele passou vendo perfis e mandando mensagens comparado a ir em encontros reais, ele decidiu construir um bot para fazer o trabalho para ele. Seu aplicativo, Bernie, pedia para os usuários vincularem suas contas existentes do Tinder e depois assistia eles arrastarem, enquanto modelava os gostos individuais dos usuários. Então Bernie começou a arrastar no Tinder para eles. Se a AI encontrava um par, começava uma conversa com a frase de abertura, “Você gosta de abacate?”.

O Tinder logo forçou Long a parar com a operação, mas Long pensa que assistentes pessoais de namoro como Bernie são o futuro da tecnologia de namoro. Em vez de gastar tempo arrastando e mandando mensagens, vamos dar aos nossos cupidos digitais acesso aos nossos calendários e locais de GPS e deixá-los lidar com a logística de nosso lugar. Então, “o meu Bernie vai conversar com o seu Bernie”, disse long, e organizar encontros automaticamente. Quando os algoritmos forem tão bons que nós vamos confiar em suas decisões, talvez nós não liguemos de os dar mais controle sobre nossas vidas amorosas.

Você está sozinho

Conforme os algoritmos ficam melhores, eles precisam coletar dados não apenas sobre fotos de perfil que nós gostamos, mas também quando nós teremos química pessoalmente. Nem um único aplicativo de namoro (que eu saiba) pede aos usuários os resultados de encontros reais. Quando perguntei ao Diretor de Engenharia do OkCupid, Tom Jacques (meu antigo chefe) sobre isso, ele cita o enviesamento: “É uma questão complicada, porque há uma distância muito grande sobre quais informações as pessoas vão dar voluntariamente, e só podemos manter o controle de interações entre os membros enquanto eles estão usando o site. Em algum momento, eles vão ter a sua conexão através do mundo real, e muito poucas pessoas que vão a um encontro (bem sucedido ou não) vão nos contar”. No entanto, nós oferecemos informação mais do que suficiente para os aplicativos serem capazes de deduzir como foram nossos encontros. Eles poderiam usar as nossas coordenadas GPS para ver com quem nós encontramos, quanto tempo durou e se teve um segundo encontro. O aplicativo de encontros Once inclusive permite aos usuários monitorar seus batimentos cardíacos em encontros através de seus Fitbits para dizer o quanto eles se empolgaram com seu encontro. (Embora Rosalind Picard, uma especialista em leitura de biossensores de emoção do MIT, tenha dito ao Gizmodo que as mudanças na frequência cardíaca são mais propensas a refletir os movimentos do corpo ao invés de pequenas mudanças na emoção).

Hoje em dia, aplicativos de namoro (supostamente) não mineram nossos dados digitais tanto quanto poderiam. Talvez eles achem que nós julgaríamos isso muito assustador, talvez nós não gostássemos do que eles aprendem sobre nós. Mas se a mineração de dados for a chave para o fim dos encontros ruins, não valeria a pena?

Eu ainda estou em cima do muro, mas por mais que eu goste da idéia de um algoritmo de namoro hiper-inteligente, eu acho que eu vou apagar minha conta do Loveflutter.

Dale Markowitz é uma engenheira de software e cientista de dados vivendo em New York City.