Quando o assunto é poluição do ar, geralmente pensamos nas usinas movidas a carvão expelindo fuligem negra de uma chaminé. Mas essa imagem pode, em breve, ser coisa do passado. Um estudo publicado na quarta-feira na Environmental Research Letters descobriu que o uso de gás natural e biomassa em fontes como edifícios e caldeiras industriais causou mais mortes em 19 estados como resultado da poluição do ar do que a queima de carvão.

Para conduzir o estudo, os pesquisadores analisaram os impactos da poluição do ar na saúde por partículas finas, ou PM2.5, ligada à queima de diferentes combustíveis. A PM2.5 pode causar uma série de problemas de saúde, incluindo inúmeras doenças cardiovasculares e respiratórias. Diferentes formas de PM2.5 podem incluir poluentes como dióxido de enxofre, óxidos de nitrogênio e compostos orgânicos voláteis e podem vir de uma variedade de fontes, incluindo carvão em combustão, gás e madeira.

As partículas que causam esses tipos de problemas de saúde “são grandes o suficiente para caber cerca de 20 delas em um cabelo humano”, disse Jonathan Buonocore, principal autor do estudo e pesquisador da Escola de Saúde Pública de Harvard TH Chan. Partículas PM2.5 podem viajar da inalação para a corrente sanguínea, e ele disse que “todos os sistemas do corpo” podem ser prejudicados.

O estudo descobriu que a exposição à PM2.5 causou entre 47 mil e 69 mil mortes prematuras em todo o país em 2017, o ano mais recente no conjunto de dados de poluição federal que eles usaram. Pegando dados de poluição de fontes federais e bancos de dados estaduais e executando esses números por meio de três modelos de computador separados, os pesquisadores deduziram que mais de 70% dessas mortes — entre 33 mil e 53 mil — foram devido a outras fontes de combustível além do carvão, entre elas o gás natural, madeira e biomassa.

Essa porcentagem é um grande salto em relação aos dados de 2008, que mostram que as emissões de usinas movidas a carvão foram a fonte dominante de PM2.5 mortal. Além do mais, as emissões de PM2.5 de fontes de gás natural causaram mais mortes prematuras do que o carvão em 19 estados mais o Distrito de Columbia. Califórnia, Colorado, Massachusetts, Mississippi, Nova York e Oregon estão entre os estados, apontando a diversidade geográfica.

A pesquisa, ironicamente, é na verdade resultado de algumas boas notícias. O número de mortes causadas pela poluição do carvão é muito baixo porque estamos reduzindo rapidamente o uso do carvão como combustível para geração de eletricidade, em parte por causa das políticas nacionais e estaduais, mas principalmente por causa da economia, uma vez que as energias renováveis ​​e o gás natural estão cada vez mais baratos.

Vários dos estados no estudo têm apenas uma ou duas usinas termoelétricas remanescentes em suas fronteiras. (Massachusetts, Nova York e Oregon fecharam suas últimas fábricas nos últimos dois anos.) Em 2008, a poluição por PM2.5 proveniente da geração de eletricidade — principalmente fontes a carvão — sozinha foi responsável por 59 mil e 66 mil mortes prematuras em todo o país; em 2017, esse número caiu para apenas 10 mil a 12 mil.

“Se as coisas se manterem como estão e as usinas de carvão permanecerem ativas, haverá impactos maiores”, disse Buonocore. “No entanto, se tivéssemos mudado para as energias renováveis ​​de forma mais agressiva, haveria ainda menos mortes devido à geração de eletricidade.”

Porém, a geração de eletricidade não é a única maneira de usarmos combustíveis e gerar PM2.5. Aquecer prédios residenciais e comerciais, cozinhar, alimentar caldeiras industriais, eliminar resíduos e outros tipos de indústria implicam em emissões mortais. Os resultados mostram que essas atividades continuam afetando a saúde pública.

O estudo surge em meio a um movimento crescente nos Estados Unidos para proibir conexões de gás natural em novos edifícios. Embora a maioria dessas lutas tenha sido motivada pela preocupação com as emissões de metano para o aquecimento do planeta, os modelos de poluição do ar deixam claro que também poderia haver enormes benefícios para a saúde ao trocar o uso de gás em edifícios por fontes de energia mais limpas. Além do mais, os impactos totais à saúde do uso de gás e biomassa em edifícios podem ser subestimados porque eles não consideram aquilo a que estamos realmente expostos do lado de dentro.

“O estudo mostra que os edifícios são as principais fontes de poluição do ar exterior”, disse Buonocore, mas “não inclui os impactos interiores da poluição do ar à qual ficamos expostos, digamos, dos nossos fogões”.

Assine a newsletter do Gizmodo

O encerramento da maior parte das usinas movidas a carvão dos EUA foi uma grande vitória para a redução das emissões gerais de carbono; descobrir como eliminar essas emissões de vários outros setores que contribuem para as mudanças climáticas pode ser mais um trabalho árduo marcado com vitórias cada vez menores. O estudo demonstra que reduzir a poluição do ar por várias fontes de combustível pode funcionar da mesma maneira.

“Trocar um combustível de combustão por outro não é um caminho que leva você a um sistema de energia saudável”, disse Buonocore. “Do ponto de vista regulatório, isso mostra que houve uma mudança nos impactos à saúde, sendo de grandes usinas e grandes fontes de energia para fontes menores, mais numerosas, mas mais distribuídas. Para continuar a reduzir os impactos da poluição do ar, a estratégia de como regulamos a poluição do ar deve mudar.”