O CEO do Github, Nat Friedman, afirmou que a companhia está trabalhando para substituir termos como “master” (mestre) e “slave” (escravo) por termos neutros como “main” (principal). A plataforma, que pertence à Microsoft, é utilizada por 50 milhões de desenvolvedores para armazenar e atualizar projetos.

A discussão sobre os termos acontece na comunidade de programação há mais de uma década, mas o debate racial levantado nos Estados Unidos após a morte de George Floyd incentivou que algumas lideranças tomassem decisões.

Os termos Master/Slave geralmente são utilizados no hardware, arquitetura e códigos para se referir a um dispositivo, base de dados ou processo que controla outro. No Github, o termo “master” é utilizado para apontar o principal ramo de um repositório.

A plataforma de hospedagem de código-fonte não é a única a seguir essa direção. Projetos de código-aberto e outras empresas começaram a discutir abertamente a possibilidade de substituir os termos. Entre elas, o Android Open Source Project (AOSP), a linguagem de programação Go, Curl e PHPUnit.

Em outras empresas, como na Microsoft, Apple e Google, engenheiros de software anunciaram que abririam discussões sobre as bibliotecas internas que utilizam esses termos.

Algumas entidades não utilizam os termos master/slave, mas tinham expressões como blacklist (lista negra) e whitelist (lista branca), que provavelmente serão substituídas por blocklist (lista de bloqueio) e allowlist (lista de permissão).

Alterações como essa acontecem há algum tempo. Os pioneiros foram Drupal e Django, que mudaram as expressões em 2014. O Python, por sua vez, retornou ao debate em 2018 e decidiu mudar o termo “slave” para “worker” (operário) ou “helper” (ajudante) e “master process” para “parent process” (processo primário).

A transição dos termos levanta outras discussões, para determinar quais palavras serão utilizadas a partir de agora – Maya Kaczorowski, gerente de produtos do Github, pediu no Twitter para que a indústria adotasse uma terminologia uniforme.

O Github parece já estar decidido e o projeto do Git está considerando alterações oficiais também, apesar de haver programadores contrários às alterações. Embora muitos recorram à ginástica mental para defender a continuidade dos termos somente pela resistência em adotar termos que não possuem conotações raciais, outros apontam que essas mudanças podem quebrar ou prejudicar projetos inteiros (ainda não está claro se o Github irá criar uma espécie de redirecionamento para resolver esses problemas ou como será o processo de adaptação).