As pessoas não fazem backup de seus computadores porque o processo é difícil –  ele não é, na verdade. As pessoas caminham para a inevitável marcha da morte da perda de dados por uma razão: fazer backup custa dinheiro. Mas não precisa custar.

Quando sua família e amigos preocupados insistem que você tem que fazer backup dos seus dados (Como todo mundo tem me falado nos últimos meses quando vêem meu laptop acabado) eles estão te dizendo duas coisas: Que fazer o backup dos seus dados vai te salvar de uma grande dor de cabeça no futuro, porque querendo ou não, seu disco rígido vai falhar, e, sem rodeios, você vai precisar comprar um novo. E quem quer fazer isso? É difícil gastar dinheiro em um disco de backup, porque o retorno é incerto, e (felizmente) demora pra ser recuperado. É um bom, mas difícil investimento.

A boa notícia é: a maioria de nós pão-duros podemos manter nossos arquivos mais importantes sem gastar um centavo, ou gastar mais do que alguns minutos. Veja como:

Nota: Estes métodos não te dão um backup tradicional, completo. São maneiras de manter copias dos arquivos que mais interessam a você, como seus documentos,  fotos, músicas e vídeos.

Compartilhe

Você mora com alguém? Você compartilha uma rede com alguém? Então ei, você já tem um sistema de backup montado e pronto! Há algumas formas jeitos de lidar com esse modo de backup, da mais estupidamente simples até a moderadamente complexa.

Primeiro, você precisa de permissão. Seja lá quem for seu colega de rede, sente com ele e tenha uma conversa. Dê a ele um copo de leite, e explique o quanto o backup de dados é importante. Convença-o, influencie-o, assuste-o. Ofereça guardar os backups dele em troca do seu. Legal! agora você tem um parceiro na segurança de dados. Parabéns.

O modo mais fácil e menos intimidador de conseguir backups de graça é configurar um compartilhamento de arquivos simples entre seu PC ou seu Mac. No PC, é só clicar em algumas caixas e configurar alguns parâmetros.(Windows XP, Windows Vista, Windows 7) e no Mac, não é muito mais difícil (Para outro Mac, para um PC, Cortesia do Lifehacker).

Agora você precisa decidir o que vai fazer backup, e como fazer. Se privacidade não é um problema, aonde por exemplo você só está sincronizando arquivos entre dois computadores de família, você pode simplesmente copiar seus documentos, fotos, vídeos e áudio para a pasta compartilhada do outro computador e voila. Se privacidade é um problema, tipo fazer backup de documentos importantes ou fotos vergonhosas, você pode criar arquivos com senha para alguns ou todos os seus dados, e daí copiá-los para a pasta compartilhada.

Mas tudo isso é muito manual pro meu gosto – para uma solução a longo prazo, eu recomendaria algo mais automático. Tudo que precisamos para um esquema simples desses é um aplicativo de backup. Para Windows, eu estou contente com o IdleBackup, um programa pequeno e gratuito que copia as pastas selecionadas para onde você quiser – incluindo pastas de rede – enquanto seu computador não está funcionando. Para Mac, o SilverKeeper da Lacie é uma ferramenta simples e poderosa para o que você vai precisar, sincronizando pastas localmente ou através de uma rede em uma agenda programável – também gratuito.

Online

 

De novo, ao invés de comprar um monte de espaço online especialmente feito para guardar backups, aqui você escolherá o que você salva e o que não, sua intenção aqui é salvar e recuperar os arquivos que mais importam, e não recuperar um sistema operacional inteiro. Felizmente, com o crescimento das ofertas generosas das empresas de armazenamento online, você pode por grande parte das suas coisas no servidor de alguém sem pagar nada. Um pouco dos melhores:

Windows Live Skydrive: Esse aqui realmente merece mais publicidade do que tem, porque ele te dá 25 GB de armazenamento sem frescura, de graça. O limite de 50MB por arquivo é meio baixo considerando o tamanho do disco online, mas para documentos, fotos, e até backup de músicas, é difícil achar algo melhor.

File Factory: 100GB de armazenamento grátis com um limite de 300 MB por arquivo. A parte ruim? Pode ser meio devagar, então esse monte de dados não são necessariamente usáveis.

Dropbox: Este é muito mais que um simples serviço de backup – ele tem também um bocado de outras funcionalidades e modos de sincronização – mas é uma maneira super simples de guardar até 2 GB de dados online, com clientes bem práticos em todos os sistemas operacionais.

Mozy: Te dá 2 GB de armazenamento gratuito, ou sem limite por US$5/mês. Vem com um aplicativo extremamente prático para Windows que deixa fácil escolher o que deve ser mandado para o site, e o que não.

Orbit Files: Oferece 6GB de espaço, mas com poucas opções disponíveis para clientes gratuitos, e não tem software.

Espalhe-se na nuvem

A má notícia é: este é o jeito que toma mais tempo para fazer um backup adequado, tanto em termos de configuração quanto na hora de baixar tudo de volta. A boa notícia é: você provavelmente já faz isso.

Se meu laptop morresse agora, eu perderia minhas configurações, um pouco de música, uns documentos de alguns dias atrás, e bem, só isso. Isso porque muitos, muitos dos meus dados moram em vários serviços online, é o jeito que eu trabalho. Ao invés de pegar um dia só para fazer upload de todos seus arquivos em infinitos sites, considere tocar seus hábitos um pouco, indo para a nuvem de vez em quando. Esses serviços dão uma alternativa casual de backup – normalmente eles são web-apps – mas isso não significa que eles não cumprem o objetivo lindamente. Use-os para o que eles foram feitos para fazer, seja editar documentos, compartilhar fotos ou streaming de música – você vai ver que mesmo sem tentar, você criou um lindo backup das suas mídias mais usadas pela internet.

Documentos:


Google Docs: Esse é fácil demais, provavelmente muitos de vocês já usam o Gmail, integradíssimo com o Docs. Ele pode quebrar a formatação dos arquivos às vezes, mas pelo menos você não perde dados importantes. 

Office Live: A tentativa de office online da Microsoft vem com 5 GB gratuitos, que, vamos ser honestos, é uma ignorância de documentos do Word.

Zoho: Como um office online, o Zoho oferece alguns pequenos recursos que o Google e a Microsoft não tem. Entretanto, como um meio de armazenamento eles só dão 1 GB. Mesmo assim é um bocado.

Fotos:

Flickr: A escolha mais óbvia para os nerds da fotografia. O Flickr te dá armazenamento sem limite e de graça, com um limite de 100 MB por mês.

Snapfish: Com poucas opções para entusiastas, o Snapfish compensa com armazenamento sem limite e opção de impressão de fotos (nos EUA).

Picasa: 1GB de armazenamento da Google de graça e pronto pra usar, com um programa legal para facilitar as coisas.

Photobucket:  Mais 1GB de armazenamento grátis – mas esse aceita vídeo também.

Facebook: Essa parece uma recomendação estranha, mas a rede social tem quebra bem o galho. Se você não está ligando para a qualidade dos uploads das suas fotos – tipo só quer dar uma olhada nelas na tela mesmo – você pode subir fotos sem limite aqui, 200 por vez. E nesse caso, um JPEG de média qualidade é melhor que foto nenhuma.

Música:

MP3Tunes: Coloca sua biblioteca de música em qualquer lugar, com um bando de aplicativos para várias plataformas, incluindo o iPhone. 2 GB de armazenamento grátis não é muito, mas é alguma coisa.

File Factory:  Mencionando acima na parte de armazenagem geral, O FileFactory também tem uma interface web para música. 100 GB é  bastante para guardar toda sua biblioteca.

Deezer: Um serviço de streaming de música francês que também te deixa subir o tanto de música que você quiser, para uso pessoal.

Vídeo:

Essa é a solução mais tabajara das apresentadas, mas Youtube, Vimeo, Viddler e sites semelhantes normalmente suportam vídeos privados ou de acesso restrito, apesar de que a perda de qualidade e a longa espera para subir os arquivos fazem essa alternativa meio difícil.

E vocês? Fazem backups? Quais ferramentas de backup vocês usam? Quais recomendam e quais são um lixo? Compartilhe nos comentários.