Se você já notou que os seus jogos antigos ficam horríveis na sua TV LCD 1080p top de linha, você não está tendo alucinações. Um membro de fóruns NFG organizou uma fantástica explicação aprofundada para fenômeno hediondo.

Vou poupá-lo dos muitos detalhes técnicos, mas o principal problema no caso é o redimensionamento. As telas CRT são capazes de alterar em escala imagens de arestas duras necessariamente proporcionais – como os sprites de jogos antigos – com mais graciosidade e mais convincentemente que telas cd LCD ou plasma porque elas não estão jogando a imagem sobre uma grade fixa de pixels. O redimensionamento ou o esticamento de uma imagem não requer que um novo conjunto de pixels seja iluminado, como é o caso das tecnologias de displays mais modernas. Mais importante ainda é que os primeiros consoles ofereciam uma imagem otimizada para CRTs comuns, então o “resampling” (tecnicamente não é a palavra correta para o processo, mas dá pra entender a ideia) não era necessário.

Uma tela moderna de pixels fixos com uma alta resolução precisa de alguma maneira redimensionar a imagem para que ela caiba na sua grade, porque ninguém quer jogar uma partida de A Boy and His Blob com 4” em uma tela plana de 52”. Uma opção é o resampling, que é essencialmente a mesma coisa que você faz quando você redimensiona uma imagem no Photoshop. Isto fica ótimo para algumas imagens, mas renderiza arte pixelada com arestas duras de maneira suja e borrada. A outra opção é o dimensionamento forçoso (hard-scaling), que conserva a fidelidade das arestas com a simples multiplicação de fileiras e colunas até a imagem ficar do tamanho correto, deixando você geralmente com uma aproximação feia dos sprites meticulosamente desenhados que deram aos jogos dos primeiros consoles uma estética tão distinta. Pronto, agora você já sabe o porquê. [NFG via Kotaku]