O Gizmodo e a Livraria Cultura fizeram uma parceria que tem um princípio muito simples: todo mundo ganha. O Gizmodo, a Livraria Cultura e os leitores do Gizmodo.

Alguns dos livros e games que indicarmos no Gizmodo, seguindo apenas os critérios nos quais você já confia, como nosso senso crítico, afinidade com a nossa comunidade e um tantinho do nosso coração, terão links diretamente para o site da Livraria Cultura.

Sempre que você comprar um livro, um game ou qualquer outro produto por links que saiam direto do Gizmodo, uma parte do valor será revertida para o site.

Você ganha a curadoria literária da equipe do site. A Livraria Cultura vende e entrega para você. E o Gizmodo tem mais recursos para investir em reportagens, vídeos, fotos e infográficos para seus leitores.

O que nós podemos assegurar é que as indicações serão sempre honestas. Porque o Gizmodo, como você já sabe, não tem rabo preso. Dos anunciantes que acreditam em nós às parcerias que fazemos, tudo, absolutamente tudo, tem um limite bem claro: ser transparente com você.

Afinal de contas, quem faz o Gizmodo ser o que é são os nossos leitores.

***

E, para começar o ano, já deixamos uma indicação aqui: “A eclosão do Twitter”, de Nick Bilton. Foi um dos nossos livros prediletos de 2013 e conta a história nem sempre edificante de um dos serviços mais populares do mundo. Já falamos do livro aqui e o Leo Martins já falou brevemente dele aqui.

Gostou? Então você pode comprar “A eclosão do Twitter” no site da Livraria Cultura.

***

UPDATE

Como nem todo mundo lê a página dois dos comentários, fizemos um update neste post, como sugerido por um dos nossos leitores, com as minhas respostas e as respostas da Nádia, editora do Giz:

Da Nádia:

“Oi, pessoal. Nós editamos o texto para mostrar que o que os leitores ganham é a curadoria da equipe no que tange a sugestões de livros. Realmente, colocar que “o leitor ganha o livro que deseja” foi uma escolha infeliz que gerou dubiedade no discurso. Pedimos desculpas, tudo bem?

Quanto à parceria em si, acho que as indicações são, sim, um ganho para o leitor, principalmente quando vêm acompanhadas de uma destrinchada ou de uma resenha do livro, porque assim você sabe se pode encontrar ali algo que você quer ler ou algo pelo que você se interesse. Eu já consegui ótimas leituras assim e tenho certeza de que boa parte de vocês também. Quanto aos preços, às vezes a Cultura é mais cara, sim, mas todas as livrarias têm diferenças de preço por conta do mercado editorial, de seus posicionamentos e por mais um monte de questões. Dificilmente uma livraria vai conseguir competir com uma loja que vende várias outras coisas além de livros. No entanto, como compradora constante de livros (doente mental que compra muito mais do que consegue ler e está com 180 não lidos na estante seria uma definição mais crua e verdadeira), posso garantir pra vocês que a Cultura tem a melhor oferta de livros em termos de variedade. Daí a parceria.

Novamente, pedimos desculpas pela má escolha de palavras.”

Agora, o meu comentário:

“Aproveitando o excelente comentário da Nádia, coloco algumas coisas aqui, para a nossa comunidade (fui eu que fiz o post e faço o mea culpa pela escolha das palavras).

Vi muita gente escrevendo “o Gizmodo está rico”, “vocês já ganham dinheiro com publicidade”. Infelizmente, a gente não está nem rico nem a publicidade paga todas as nossas contas.

Produzir conteúdo é cada vez mais caro (imagine o quanto custa mandar alguém para ficar dias numa feira de tecnologia, por exemplo) e os anúncios pagam, por uma série de razões, cada vez menos.

Nós somos apaixonados por produzir conteúdo, e acreditamos que é preciso fazer bom conteúdo de maneira profissional. Todo mundo que trabalha para o Gizmodo é remunerado para fazer isso. São profissionais. E nós queremos continuar assim.

Quando firmamos parcerias, nosso objetivo é simples: conseguir mais recursos para investir em matérias maiores, para produzir vídeos, para produzir documentários, para produzir séries de reportagens. Nós não cobramos nada dos nossos leitores pelos textos do Gizmodo, mas isso não significa que o conteúdo não tenha valor. Bom conteúdo custa caro, pessoal.

E, para manter o Gizmodo aberto e gratuito, vamos fazer cada vez mais parcerias, com empresas em quem a gente confia, para conseguir recursos para produzir conteúdos cada vez melhores, para informar e inspirar a nossa comunidade de leitores. Algumas empresas vão se destacar pelo preço. Outras, pela variedade e pela curadoria de produtos, como é o caso da Cultura. Cada uma tem uma vantagem. Você escolhe, no final das contas.

Do nosso lado, nós existimos para conversar com vocês. E, às vezes, vamos pedir a ajuda de vocês para nos ajudar a produzir mais conteúdo. Para vocês, com vocês.

Dúvidas? É só falar. Podemos demorar para responder, mas estamos sempre lendo. Nunca duvidem da nossa atenção.

Abração,

Leandro”