O golpe do príncipe nigeriano que precisa de ajuda para levar o dinheiro para outro país existe há décadas: tudo o que você precisa fazer é depositar uma quantia para que ele consiga resolver pendências e depois receberá uma recompensa. Mesmo parecendo o golpe mais manjado da internet, há quem caia nele.

• Por que os scammers dizem que são da Nigéria (e outros detalhes dos golpes virtuais)
• O que há de real no absurdo golpe do astronauta nigeriano perdido no espaço

E é sério: ainda tem gente que manda dinheiro para o tal príncipe. Tanto que a polícia de Slidell, na Louisiana (EUA), prendeu na semana passada Michael Neu, de 67 anos, suspeito de ser o intermediário em golpes deste tipo via email e telefone. Ele sofre 269 acusações por fraude eletrônica e lavagem de dinheiro. Apesar de Neu não ser nigeriano, parte do dinheiro arrecadado com golpes ia, de fato, para outros criminosos na Nigéria.

A polícia precisou de 18 meses para chegar em Michael Neu e afirma que continuará com as investigações. A dificuldade, relatam, é que muitas pistas indicam para suspeitos que estão fora dos Estados Unidos. A dica das autoridades para evitar prejuízo se resume naquele velho ditado: quando a esmola é demais, o santo desconfia.

Mas o crime provavelmente não deve parar, não. Em 2016, por exemplo, a Interpol prendeu uma peça chave do golpe, que era mesmo nigeriano. Para ter uma ideia da dimensão do esquema, agentes suspeitavam que ele obteve mais de US$ 60 milhões na época.

Um pesquisador da Microsoft, em 2012, já cantou a bola do porquê muita gente cai nesse tipo de golpe: os criminosos não fazem a mínima questão de disfarçar o esquema e pegam os mais ingênuos. O máximo que os scammers fazem é inventar histórias cada vez mais hilárias.

[Slidell Police Department via Facebook]

Imagem: Slidell Police Department via Facebook