Após o sucesso do documentário da Netflix sobre o “golpista do Tinder”, o aplicativo de namoro lançou na última quarta-feira (9), um novo recurso para que os usuários verifiquem os antecedentes criminais das pessoas com quem deram match.

A função visa aumentar a segurança do app e evitar outros golpes. Basicamente o meme “o golpe tá aí, cai quem quer”, virando realidade durante a experiência no Tinder.

Anunciado em março de 2021, o recurso chega à plataforma apelidado de “backgroud check”. Por enquanto, ele está disponível apenas nos Estados Unidos, mas deve chegar a outros países em breve.

O serviço é oferecido pela organização sem fins lucrativos, Garbo. Apesar de ser uma boa ferramenta, ela não será totalmente gratuita e os serviços grátis serão limitados.

O Tinder anunciou que apenas duas checagens de antecedentes criminais serão gratuitas para cada usuário, com limite de 500 mil consultas gratuitas. Depois disso, o serviço será cobrado. Cada checagem custa US$ 2,50 — cerca de R$ 12,60 — mais uma taxa de processamento por transação.

“Queremos proteger os mais vulneráveis a sofrer danos online e offline, e este é apenas o primeiro passo para cumprir nossa missão de ajudar a prevenir proativamente danos na era digital“, disse Kathryn Kosmides, fundadora da Garbo.