Você provavelmente não esperaria encontrar referências a “sugar daddies” nas atualizações de política do Google. Mas foi isso o que aconteceu: na surdina, a companhia atualizou suas diretrizes de conteúdo impróprio na Play Store, que agora proíbem aplicativos que promovam “relações sexuais compensadas”, incluindo aquelas dos chamados “sugar dadies” e “sugar mommies”. Também serão banidos apps que facilitem trabalhos de cunho sexual.

O Google já proibia qualquer aplicativo que de alguma forma pudesse promover serviços que possam ser considerados como atos sexuais e que recebam pagamento em troca desses favores. No entanto, com esta nova atualização nas políticas de conteúdo impróprio, o Google agora inclui nesse grupo “namoros recompensados ou acordos sexuais em que se espera ou implique que um participante forneça dinheiro, presentes ou apoio financeiro a outro participante”.

Para os não iniciados, o termo “sugar” surgiu no início dos anos 2000 e faz referência a um homem (daddy) ou mulher (mommy) que usa de recursos financeiros para pagar a companhia de outra pessoa — que por sua vez é conhecida como “sugar baby”. O adjetivo não é atrelado à prostituição porque atos sexuais entre as duas partes não são obrigatórios, e o pagamento entre elas pode ser feito tanto em dinheiro quanto em jantares, presentes e outros mimos.

Os termos ganharam mais popularidade após escândalos envolvendo sites de paquera, entre eles o Ashley Madison. Em 2015, a plataforma teve milhares de dados de clientes vazados na internet, revelando um poderoso esquema de sugar daddies, com homens mais velhos financiando encontros com meninas bem mais novas — e também um monte de traição entre os casais.

O Ashley Madison não tinha um aplicativo específico para Android, mas ferramentas dessa mesma categoria explodiram na loja de apps do Google nos últimos tempos. Algumas delas, inclusive, ainda estão disponíveis e contam com classificações altíssimas de outros usuários, indicando que esse tipo de serviço sempre esteve em evidência.

Assine a newsletter do Gizmodo

Naturalmente, existem algumas maneiras de contornar a suspensão do Google a esses apps, prevista para 1° de setembro. Mesmo após essa data, os usuários ainda poderão baixar os programas em seus smartphones por sideload ou APK. E, claro, também vimos pessoas na comunidade sugar começarem a migrar para ferramentas mais brandas de namoro, como o Tinder. Logo, é provável que muita gente adepta ao movimento sugar saia de um canto para o outro em busca de um novo lugar para chamar de seu.