Quando foi lançado, lá em 2015, o Google Fotos tinha como grande atrativo o armazenamento ilimitado. Isso, porém, vai mudar no ano que vem: a partir de junho de 2021, novos arquivos enviados serão descontados do armazenamento da sua conta do Google.

O Google Fotos tinha como grande diferencial um backup infinito para fotos, desde que a opção selecionada fosse a de Alta Qualidade. Essa opção compactava os arquivos para um limite máximo de resolução de 16 megapixels, para fotos, ou de 1080p, para vídeos. Havia ainda a opção de subir as fotos e vídeos no tamanho Original, sem nenhuma compactação, que descontava do armazenamento da conta do Google.

Assim, o usuário podia ter um registro em qualidade boa, sem se preocupar com perder o aparelho ou estourar o limite do Gmail e do Drive. (O Google ainda colocou depois uma terceira opção chamada Expresso que era ainda menor, com limite de 3 megapixels ou 480p, mas que era melhor do que nada para quem tinha uma conexão ruim.)

Isso, porém, vai mudar em breve. Em um e-mail enviado nesta quarta-feira (11), a empresa detalhou suas novas políticas para armazenamento do Fotos.

Fotos e vídeos cujo backup for feito a partir de 1º de junho de 2021 contarão no espaço de armazenamento da conta do Google. Para contas gratuitas, aquelas que você tem ao criar um Gmail, esse limite é de 15 GB, compartilhado pelo email e pelo Drive.

As fotos e vídeos cujo backup em alta qualidade foi feito antes dessa data não entrarão na conta.

O Google diz que está comunicando esta mudança com antecedência para não pegar nenhum usuário de surpresa. A companhia também lembra que disponibiliza uma ferramenta que estima, com base no ritmo atual de uso, quanto tempo vai demorar até encher todo o armazenamento da conta.

Outra novidade é que, a partir da data que a nova política entra em vigor, o aplicativo do Fotos vai ganhar uma ferramenta que identifica fotos borradas ou tremidas e sugere que o usuário apague estes arquivos para liberar espaço.

Esta é mais uma das políticas adotadas recentemente pelo Google para, de uma forma ou de outra, forçar um uso menor de sua nuvem e de seus servidores.

Recentemente, a empresa também passou a avisar que itens na lixeira do Google Drive seriam deletados automaticamente depois de 30 dias, e, nesta mesma quinta-feira (11), veio o anúncio de outra política: contas do Google sem acesso há mais de dois anos terão seus e-mails do Gmail e seus arquivos do Google Drive apagados.

A mudança também pode ser vista como uma forma de promover os recursos pagos de armazenamento do Google no chamado Google One. O plano mais barato, de 100 GB de nuvem, custa R$ 6,99 por mês ou R$ 69,99 por ano.