Em uma feira gigantesca como a IFA, onde é fácil ficar perdido com as tecnologias que você vai ver daqui a não sei quantos anos, é incrível como um barbeador elétrico tenha conseguido chamar tanto a atenção (porque, afinal, o que chamou a sua atenção foi o barbeador). Se você é uma mulher ou um cara tipo eu, que só faz a barba quando as pessoas ameaçam te dar moedas pela cara de mendigo, vai ficar tentado a pular este post. Mas eu vou tentar te explicar como a Philips quer justificar a etiqueta de R$ 1.000, preço do SensoTouch 3D quando chegar ao Brasil em novembro. Ou melhor (muito melhor): estas simpáticas alemãs vão me ajudar.

Na coletiva de imprensa para anunciar a sua linha 2010 de produtos de consumo, o CEO da Philips listou o que era mais inovador dentro da empresa: 1° TVs 3D; 2°: Barbeador. A plateia de jornalistas achou estranho. Mas o fato é que a Philips tem 70 anos de experiência na área e para fazer algo diferente passou bastante tempo experimentando e testando protótipos do Sensotouch 3D, o aparelho em questão, em 15 mil homens. E eles chegaram a isso:



Bonito o barbeador, né? Pois então, a moça aí me explicou que o SensoTouch chama "3D" porque a sua cabeça articula-se em três dimensões. Além de se mexer em 360°, há 3 lâminas que se movimentam separadamente e a parte central delas "afunda" (isso, como os melhores barbeadores), tudo para fazer que o barbeador adapte-se às curvas do seu rosto. Bem, é melhor eu desenhar, ou você ver essa figurinha aí embaixo.

As lâminas também são bem diferentes, com uma camada de "dentes" para pegar os fios mais longos e duas outras de lâminas propriamente ditas para cortar os pelos rente à pele. A ideia é que você não precise pressionar muito o barbeador e, mesmo se você o fizer, ele não machuca. De novo, veja o desenho:

Ok, você e seus amigos caminhoneiros devem achar isso uma frescura só. Mas para o público deste barbeador, tudo bem pagar caro. Com um papo de metrossexual e de “Masculinidade em Transição” os executivos da Philips disseram que 60% dos homens estão experimentando "estilos de barba" diferentes e estariam dispostos a testar novas soluções. Mil Reais? Isso é tipo a gorjeta que o Beckham paga pra manicure dele toda semana. Além dos barbeadores propriamente, há um "dock" vendido separadamente por 15 Euros aqui que recarrega e desinfeta o aparelho automaticamente:

É claro que em gráficos e em fotos de divulgação sempre funciona. Por isso eu resolvi tirar a prova e fazer a minha barba na feira. Sim, daria o meu próprio sangue se necessário para tentar descobrir a verdade para vocês. O resultado, honestamente, não foi o que esperava. É verdade que tive bem menos tempo que gostaria e não pude colocar água quente no rosto, o que ajudaria. Pela minha falta de prática com barbeadores, pressionei mais do que deveria e talvez tenha ficado meio nervoso com a moça do lado dizendo para eu ir "mais devagar" e mais "gentil" com sotaque alemão. Quando fiz direitinho, era até agradável, tipo uma massagem facial.

Mas no fim, não consegui tirar toda a minha penugem e ainda ganhei partes vermelhas no pescoço. A moça me disse que provavelmente era porque eu estava com a barba meio grossa e eu deveria cortá-la antes (há um trimmer na ponta do antes de passar as lâminas), mas deu pra ver o potencial nas partes que fiz direitinho. Se tiver tempo na feira, vou pedir à Miss IFA (sim, existe isso) para experimentar de novo. 


* O Gizmodo Brasil viajou a Berlim para cobrir a IFA a convite da Philips.