O Motorola Droid. Não queria usar referências a droides, mas pra mim este é um celular que o Darth Vader usaria. E depois de alguns minutos usando, ainda continuo ansioso por este celular. A seguir, primeiras impressões sobre o Droid, com muitas fotos.

O Droid

Ele é pesado. E o formato dele dá a impressão de ser um dos celulares mais pesados que eu já usei nos últimos tempos. Ele não se parece em nada com o celular que você tem no bolso. O modo como a tela — a melhor que existe entre os celulares Android — desliza pesadamente para cima, apenas com a força do polegar, sem precisar de outros dedos para ajudar, contribui para a sensação de peso. E, ao mesmo tempo, o celular não parece pesadão. Sim, ele é um pouco grosso como todo celular slider, mas a espessura não é um problema. E não prejudica o design do aparelho.

Também é um pouco animador ver um design tão diretamente utilitário. Não tem nada nele que queira ser atraente. Nem ter um visual "clean". Ele é cheio de linhas e marcas e protuberâncias e detalhes. É um tipo estranho de retrô, com a mistura de preto e dourado. Ele é bastante, digamos, Imperial.

A tela de 3,7 polegadas, cheia de pixels, é simplesmente fantástica. O texto é ridiculamente nítido, graças à resolução de 854×480 pixels e 267ppi. Sério, olhar minha caixa de entrada tá me fazendo babar. (A resolução do iPhone é de 163 ppi.) Além da nitidez, a resposta ao toque parece ser bastante precisa. E o teclado funciona melhor do que parece. Ele parece liso, mas tem uma elevação em cada tecla que, combinada à textura macia de borracha, simplesmente funciona. É bem melhor que o teclado do Palm Pre. A tecla direcional, acho que ninguém sentiria falta dela se ela sumisse. E as teclas sensíveis a toque na frente do aparelho deveriam ser botões de verdade. (Sério, pra que isso, além de economizar espaço?)

Acho que este é meu celular Android favorito, pelo menos até saber da duração da bateria dele.

Android 2.0: yes!

O Droid roda uma versão basicamente padrão, sem modificações, do Android 2.0. É possível baixar apps para ele, mas o celular já vem limpo direto da caixa.

Ele é mais rápido, em quase todo jeito possível. (Isto, em parte, ao processador ARM Cortex A8 do Droid, o mesmo tipo encontrado no Palm Pre e no iPhone 3GS.) Os apps abrem mais rápido, as transições são instantâneas e fluidas, e navegar para cima e para baixo raramente é lento, nem no navegador e nem nos mapas.

O Android está crescido. Os ícones foram redesenhados: estão mais limpos, mais sérios, com menos estilo de desenho animado. Os contatos, como você viu, estão melhores, com integração ao Facebook e uma nova função chamada Quick Contact, que mostra todos os jeitos possíveis de contatar alguém. A integração dos contatos com o Facebook funciona melhor que no Palm Pre (que só dá a opção de ter integração total ou não tê-la) e melhor que no HTC Hero (onde você tem que linkar cada contato manualmente), com a opção de trazer todos os contatos do Facebook, só as pessoas que também estão nos contatos do Google, ou linkar manualmente os perfis aos contatos.

Esta interface de cabeceira, que transforma o Droid em um relógio-despertador com previsão do tempo e outras coisas legais quando você o conecta na base, aparentemente é algo exclusivo entre a Motorola e o Google, então não deve estar presente em outros celulares com Android 2.0. A interface de navegação, que surge automaticamente quando o celular é ligado no dock para usar no carro, pode ser acessada pelo app Car Home, e ele dá acesso rápido a contatos, navegação, busca por voz, pesquisa e mapas.

A importância da voz é maior no Android 2.0: pressionar e segurar o botão de busca por um segundo ativa os comandos de voz para busca, navegação (basta dizer "navigate") e outras funções. Falando de navegação, o Android virá com o ótimo Google Maps Navigation, anunciado hoje. Esta deve ser a maior atualização no Android.

Busca universal, graças a Deus! Eu fico impressionado em como o sistema operacional da maior empresa de busca ficou atrás da Apple e da Palm neste quesito. Mas agora a busca universal chegou, e agora varre seus contatos, histórico e favoritos do navegador, contatos, apps, música e Youtube. (Porque a pesquisa por SMS e e-mail ficou separada, eu não sei.)

O navegador, além de estar mais rápido e funcionar melhor, está com uma interface levemente atualizada: múltiplas janelas podem ser administradas por uma lista de texto simples, por exemplo. Outros benefícios, como suporte a HTML5, são obviamente mais difíceis de quantificar.

Nos próximos dias teremos mais novidades, mas por enquanto saiba que sim, você pode aguardar ansiosamente por este smartphone sem culpa. Este pode ser o Android que há tanto esperamos.

Fotos:

Mais fotos: