Muita gente usa extensões de VPN para acessar conteúdo bloqueado no país (Netflix), mas uma das mais populares opções no Google Chrome e no Firefox faz mais do que os usuários gostariam: o Hola vende seu tráfego de internet e coloca seu PC em uma botnet.

O Hola é gratuito, mas precisa se manter de pé de alguma forma. Alguns desses serviços cobram uma pequena taxa dos usuários. O Hola também faz isso: eles oferecem uma assinatura de US$ 5 por mês, mas também têm um plano gratuito para quem não quiser pagar nada. O problema está nessa opção gratuita.

No geral, o Hola gratuito funciona mais ou menos com o Tor. É um serviço VPN peer-to-peer: usuários no Brasil, por exemplo, que quiserem parecer estar nos EUA para acessar o catálogo do Netflix de lá, são roteados para uma conexão de lá. E o Hola, através de um serviço próprio chamado Luminati, vende essa conexão roteada para quem quiser usá-la da forma como desejar.

Aí está o problema. Um usuário se aproveitou dessa oferta do Hola e usou essas conexões para atacar o fórum de mensagens anônimas 8chan – milhares de requisições foram feitas ao site em questão de segundos, tirando ele do ar. Isso também poderia ser feito de diversas outras formas ainda mais prejudiciais ao seu computador – como vincular sue IP a pornografia infantil ou outros atos criminosos.

Em seu FAQ, o Hola explica muito bem essa natureza peer-to-peer do serviço, mas até pouco tempo não citava em nenhum momento o Luminati, nem a venda das conexões recentemente. Como os usuários gratuitos não conseguiam desativar a opção de fazer parte dessa rede, eles não só não podiam fazer nada como provavelmente nem sabiam do que o serviço era capaz.

O Hola precisa de meios para se manter no ar, mas colocar seu computador em uma botnet não é a melhor ideia. [Lifehacker]