Cloud é a palavra mágica do mundo da tecnologia atual. O “i” tem sido um prefixo de respeito por mais de uma década. O iCloud, a união sagrada dos dois, pode ser o futuro da computação. Mas hoje? É super conveniente. E só.

Por que é importante

Colocar tudo na nuvem é o futuro da computação. Todas as suas coisas armazenadas em um lugar acessível por qualquer aparelho, de qualquer lugar. Sem sincronização. (Ou melhor, com sincronização invisível.) Sem caos. Sem se preocupar com pastas, nunca mais. Fim dos malditos backups. E vindo de uma empresa que sempre estufou o peito para se autoproclamar como a imperadora da simplicidade, o voo da Apple para a nuvem deveria ser ótimo. Nós queríamos que ele fosse ótimo.

Usando



O iCloud não é um desses raios de simplicidade que a Apple batiza de “it just works”. Ele repete muitas coisas que o MobileMe fazia antes. Entrar é fácil — você entra no iCloud, de graça, com seu Apple ID. Mas daí em diante, você recebe uma avalanche de mensagens, alternativas e configurações pela frente. (Esteja pronto para colocar sua senha várias, várias vezes mesmo, em vários aparelhos, entre o iCloud e o iMessage.) É preciso habilitá-lo em seu smartphone, decidir o que você quer sincronizar (calendários, contatos, fotos, tudo). E você terá que fazer a mesma coisa em seu computador, e em qualquer outro lugar em que você queira que os dados sejam enviados para a nuvem. Não é nada elegante, mas uma vez completo, você não precisará mais de manutenção ou monitoramento. Do outro lado da moeda, se você gostava de monitorar e ter controle total sobre as mudanças em seus dados que são atualizados, como acontecia no MobileMe, isso simplesmente acabou com o iCloud. O ato é totalmente invisível, mesmo que você queira visibilidade.

Gostamos

Se você encarar o desafio, o iCloud lhe oferece uma rede de backup que não requer cuidados nem preocupação. Ou pelo menos na maioria dos casos. Ele puxa seus contatos, anotações no calendário, e-mail, dados de apps e tudo mais que estiver em seus aparelhos com iOS, e os deixa protegido em um data center gigante no céu. Em caso de desastre com o gadget (smartphone pela privada! iPad roubado!), é possível recuperar tudo por meio de qualquer computador, de qualquer lugar, e recolocar todos os dados em seu aparelho substituto, como se ele fosse um clone bizarro de alguém que você amava e morreu. Um de nós fez o processo com um iPhone 4S, puxando todos os dados e configurações do iPhone 4 sem problemas. Os downloads são exibidos em todos os aparelhos, de forma simples. Quando ele está rodando, você sente um certo alívio na mente — a sensação de que a Apple está cuidando de algo que seria muito chato de fazer com suas próprias mãos. Eu não tenho mais que pensar em sincronizar meu iPhone, nunca mais. É uma sensação boa.

Também é divertido deletar um contato no iCloud.com e assisti-lo sumir da lista de contatos do Mac e do iPhone. O processo todo não é tão simples, mas o iCloud organiza toda a pilha de dados que todos nós temos hoje. E nós precisamos dessa organização.

Ah, e ele é gratuito, a não ser que você precise de mais espaço.

Não gostamos

Em sua forma atual, faltam pedaços bem grandes no iCloud. Por que eu tenho que migrar minha vida toda dos calendários que eu usava para o calendário do iCloud? Por que eu posso editar documentos do Pages entre meu smartphone e meu iPad, mas não posso abrir exatamente no lugar que eu parei quando estou no Mac? E por que diabos o Photo Stream, o componente de comparilhamento de fotos do iCloud, apenas sincroniza as fotos que eu tirei nos últimos 30 dias? Se eu perder um celular que eu tenho a mais de um ano, eu me preocuparei muito mais com as coisas antigas do que com o que eu fotografei há três semanas. Além disso, por que eu não posso deletar nada do Photo Stream? Isso é… assustador. Espero que você não sincronize nada escandaloso, senão, ferrou.

E se vocie já usava o MobileMe, muita coisa está faltando por aqui: sincronizar configurações de seu Mac, por exemplo. Ou então por que em vez de deixar o iDisk em background a Apple não redesenhou tudo em algo tão incrível quanto o Dropbox? Há outros buracos aleatórios, como a ausência de suporte para Snow Leopard (pelo menos por enquanto).

No geral, o iCloud é um pouco insignificante — cheio de buracos e quase acertos — para ser o início da época pós-computador que imaginamos. Novamente: é um serviço conveniente. Limitado e gratuito. Mas algo criado para facilitar tudo não pode ter tantas frustrações.

Devo usar?

Ele é gratuito e útil, então a resposta é sim. Ainda não é o futuro brilhante do mundo, mas trata-se de um serviço de backup bem incrível. Não há razões para não embarcar em coisas mais básicas do backup, como as de configuração de apps. Mas se você esperava um simples interruptor que simplificaria toda sua vida, é melhor voltar depois.