Nosso planeta adotou recentemente uma minilua que é aproximadamente do tamanho de um carro, embora os astrônomos ainda não tenham certeza se é um asteroide ou um objeto artificial. Um observatório no Havaí está agora nos fornecendo uma visão mais clara do intrigante novo companheiro celestial da Terra, ainda que temporário.

A nova imagem colorida foi capturada em 24 de fevereiro de 2020, pelo Observatório Gemini, localizado no topo do vulcão Mauna Kea, no Havaí, de acordo com um comunicado de imprensa emitido pelo Laboratório Nacional de Pesquisa em Astronomia Infravermelha Ótica da NSF (National Science Foundation). A minilua, se é que pode ser chamada assim, mede entre 1,9 e 5 metros de diâmetro e, como sugere a nova foto, é realmente bastante esférica.



A nova imagem é um composição colorida produzida a partir de três imagens distintas. O objeto, diferentemente das estrelas de fundo listradas, não é desfocado porque foi o ponto focal das observações. As estrelas, mostradas em faixas de azul, vermelho e verde, aparecem “arrastadas” devido ao movimento do objeto ao longo do tempo. Uma visualização ampliada da foto (abaixo) revela o objeto com mais detalhes.

Uma visão ampliada do possível TCO, ou minilua. Imagem: Observatório Internacional Gemini/Laboratório Nacional de Pesquisa em Astronomia Ótica Infravermelha da NSF/AURA/G. Fedorets/Gizmodo

“Obter as imagens foi um desafio para a equipe de Gemini porque o objeto está rapidamente se tornando mais fraco à medida que se afasta da Terra”, disse John Blakeslee, chefe de ciência do Observatório Internacional de Gemini, no comunicado à imprensa.

O objeto, um provável Orbitador Capturado Temporariamente (TCO), foi provisoriamente designado como 2020 CD3 pelo Minor Planet Center da União Astronômica Internacional no início desta semana. A suposta minilua foi detectada em 15 de fevereiro de 2020 pelos astrônomos Kacper Wierzchos e Teddy Pruyne do Catalina Sky Survey no Laboratório Lunar e Planetário da Universidade do Arizona. Acredita-se que o objeto tenha entrado na órbita da Terra em 2018, mas não permanecerá por muito tempo.

“O caminho projetado do objeto escapará da atração gravitacional da Terra em abril de 2020”, disse Pruyne ao Gizmodo em um e-mail. “O termo ‘minilua’ é simplesmente um apelido dado pelos astrônomos. Na realidade, ele é apenas um visitante momentâneo em sua viagem pelo espaço”.

O objeto é muito pequeno e fraco, então os astrônomos não podem dizer se é um objeto natural, como um asteroide, ou um objeto artificial, como um foguete descartado ou alguma outra forma de entulho produzido pelo homem. Se for comprovadamente um TCO, no entanto, seria apenas a segunda minilua conhecida a ser documentada pelos astrônomos, a outra sendo a 2006 RH120, que orbitou temporariamente a Terra de setembro de 2006 a junho de 2007.

“Isso é incrivelmente raro”, disse Pruyne. “É raro, porque, para um objeto manter a órbita da Terra como um TCO, ele deve chegar a uma velocidade muito específica. Caso contrário, ele passará direto pela Terra ou, menos provavelmente, se chocará”.

As imagens iniciais fornecidas por Pruyne e Wierzchos eram muito granuladas, mas o novo Observatório Gemini está oferecendo mais detalhes, embora ainda não o suficiente para caracterizar o objeto como natural ou artificial. São necessárias observações contínuas para refinar melhor sua posição no espaço e medir sua refletividade, o que ajudará a restringir seu tamanho e até mesmo lançar luz sobre sua composição química. Os corpos rochosos são menos refletivos em comparação com, digamos, propulsores de foguetes usados ​​ou espaçonaves extintas.

“Nas próximas semanas, muitos na comunidade de astronomia provavelmente estarão observando o CD3 2020”, disse Pruyne. “A partir daí, confirmamos tudo o que podemos sobre o objeto – há quanto tempo está em órbita, de onde veio e os [materiais de que é feito]. E como esse é apenas o segundo TCO, muito pode ser aprendido sobre a física por trás dele”.