Temos más notícias para os fãs de sistemas de e-mail inovadores. O Inbox, do Gmail, vai fechar, menos de quatro anos depois de ter sido lançado. Se você gosta muito dele, onde é que você poderá encontrar recursos do mesmo tipo depois de ele ser desativado em março de 2019? Nós temos algumas ideias.

• O Gmail vai escrever seus e-mails por você
• Roubo de grana via e-mail está crescendo, e uma empresa tem usado “técnica de DNA” para detectá-los

Você pode voltar para o Gmail

O Google diz que os usuários do Inbox devem voltar para o Gmail, porque, bem, é natural que eles digam isso. Recursos inteligentes como adiar e-mails, sugestões de respostas e avisos que estão na caixa de entrada há algum tempo — que apareceram primeiro no Inbox — estão no Gmail, tanto na versão web quanto nos apps móveis.

Se você não gosta delas, pode desligar as sugestões de respostas (em que o Gmail sugere respostas automáticas para você) e os avisos (lembretes para responder mensagens). É só entrar nas configurações dos aplicativos ou da web. Mas, se você está vindo do Inbox, é provável que você queira mantê-los.

O Gmail agora também mostra anexos fora da linha da conversa, apesar de que isso não funciona tão bem quanto os previews do Inbox. Também não há um equivalente para a aba Destaques, que coloca os e-mails mais importantes primeiro — a aba Principal, do Gmail, faz um trabalho parecido.

Também não dá para marcar e-mails, como no Inbox, ou ver os e-mails que você fixou no produto que está para ser desativado — o Google sugere usar estrelas ou etiquetas no lugar. Mensagens com estrela ficam na pasta Principal do Gmail, o que significa que podem servir como equivalentes às mensagens marcadas, mas você vai ter que conferir tudo antes de sair do Inbox e migrar para o Gmail como forma de garantir que nada se perca.

O Gmail também não agrupa automaticamente e-mails em grupos como Viagens, Finanças, Compras, entre outros, como o Inbox faz. O que ele faz é separar as mensagens em abas (incluindo para notificações de redes sociais e e-mails promocionais), o que é um pouco como os grupos do Inbox — clique no ícone de engrenagem no Gmail na web e escolha Configurar caixa de entrada para escolher as abas que estão visíveis.

Por fim, os lembretes não migram do Inbox para o Gmail. Eles continuam uma bagunça por todos os produtos do Google. Os lembretes do Inbox sincronizam com os do Google Assistente, mas não com os do Google Keep.

Desde o grande redesign do Gmail, feito em 2018, você pode acessar tanto o Keep quanto o Google Tarefas em um painel na direita do Gmail. Mesmo assim, vai ter que migrar seus lembretes manualmente, pois, como dissemos, esses produtos não compartilham informações com o Inbox ou o Google Assistente.

No Gmail do celular, você tem acesso a algumas, mas não a todas as facilidades do Inbox. Dá para deslizar uma conversa para arquivá-la, mas você só pode customizar essa ação no app para Android. E, esteja você no Android ou no iOS, precisa de três toques na tela para adiar uma mensagem — no Inbox, dá para fazer isso com um único deslizar de dedo.

Por mais imperfeito que seja, o Gmail é o melhor substituto para quem é fiel ao Inbox. Isso é, de certa forma, esperado — ele é feito pela mesma empresa, oferece as mesmas funções e provavelmente vai ficar mais parecido com o Inbox no futuro.

Você pode tentar o Outlook.com

O sóbrio e seco Outlook.com vem melhorando nos últimos anos. Se faz tempo que você não entra lá, talvez valha a pena dar uma olhadinha.

Você vai precisar de uma conta Microsoft para usar o Outlook.com, mas ela é gratuita. Você pode administrar todas as suas mensagens do Gmail via IMAP — não precisa mudar de endereço de e-mail. Dá para dizer que a interface do Outlook.com ainda fica atrás do Gmail, mas é muito mais limpa e rápida do que costumava ser.

A visualização de conversas, que ficou popular no Gmail, também está disponível no Outlook.com. Os anexos têm um preview fora das linhas da conversa, de um jeito parecido com o Inbox. A nova caixa de entrada Destaques é uma tentativa de trazer as mensagens mais importantes para o topo, um pouco parecido com o que já existia no Inbox. O Outlook.com tem até mesmo um equivalente para o recurso de fixar imagens do Inbox, coisa que o Gmail não tem.

Não há função de resposta inteligente ou avisos para responder a e-mails. Por outro lado, você tem um painel de tarefas integrado, que lista seus e-mails sinalizados e afazeres que você adicionou manualmente. Pode ser um bom substituto para os lembretes do seu Inbox. Você também pode continuar usando o Google Assistente no seu celular para não ter o trabalho de migrar manualmente todos os seus lembretes.

Nos celulares, com os apps do Outlook para Android e iOS, a história é mais ou menos a mesma — você não tem tudo que o Inbox tem, mas há alguns recursos bastante úteis, acesso ao seu Gmail e uma interface bem refinada. Você também tem a função de adiar mensagens, que o app da Microsoft chama de agendar, o que pode ser um pouco confuso para alguns. Eles reaparecem na hora e no dia que você escolher, e você pode acessá-los, mas não adiá-los, na web.

Com a capacidade de gerenciar seus e-mails com gestos e a opção de adiar no mobile, e-mails marcados e tarefas na web, previews de anexos e mais, o Outlook é uma alternativa decente ao Inbox, se não for tão abrangente quanto o Gmail.

Você pode dar uma olhada nessas outras opções

Infelizmente, a cena de clientes de e-mails não é mais tão vibrante quanto já foi um dia. Iniciativas interessantes, como o Mailbox (que ajudou a inspirar o Inbox) e o Newton se foram. O promissor Astro agora é parte do Slack. A Apple, por sua vez, não parece muito interessada em fazer um aplicativo que não pareça vindo diretamente de 2010.

As boas opções são quase todas exclusivas para iOS e/ou macOS, não servindo para quem está fora do ecossistema da Apple.

O Spark imita o Inbox em vários sentidos. Ele oferece organização de mensagens, e-mails fixados, lembretes de respostas e opção para adiar um e-mail com gestos.

Graças ao IMAP do Gmail, você pode acessar suas mensagens do Inbox diretamente pelo Spark. Infelizmente, suas mensagens fixadas e adiadas não serão transferidas, então você vai precisar fazer isso tudo de novo. Você também vai precisar se acostumar a usar um cliente de desktop no lugar de uma interface web — o Spark diz que um web app está a caminho, assim como versões para Windows e Android; por enquanto, você vai precisar de um iPhone, um iPad ou um Mac.

Se isso soa interessante para você, então vale a pena dar uma olhada nele. A separação inteligente de mensagens funciona bem, dá para agendar o envio de e-mails, salvar anexos diretamente na nuvem e até mesmo colaborar com e-mails com outras pessoas. Você também tem uma agenda embutida, mas, para tarefas, vai precisar conectar um serviço como o Todoist ou o Things.

Outra opção disponível para usuários de Mac e iPhone é o Airmail. Ele não tem o mesmo número de funções do Spark, mas você pode importar mensagens do Gmail, separá-las ou adiá-las com gestos e, geralmente, passar pela sua caixa de entrada mais rápido. Por outro lado, o app para iOS custa R$ 16,90, enquanto o Spark é grátis.

O AirMail não inclui respostas inteligentes, mas tem modelos para facilitar o envio de e-mails padrão. O aplicativo também inclui uma lista de tarefas integrada, em que você também pode adicionar e-mails, o que serve mais ou menos como os itens fixados do Inbox.

Imagem do topo: Google. Demais imagens: Gizmodo.