Em meados de 1998, eu, um jovem cheio de sonhos, acompanhava uma chuva homérica em São Paulo. Tentei tirar fotos de vários raios com uma Pentax analógica, imaginando o momento em que os registros iriam aparecer no Jornal Nacional com a legenda “imagens: fotógrafo amador”. Mas quando eu revelei o filme, 24 fotos de um céu preto acabaram com minhas esperanças. Bem, a tecnologia evoluiu, qualquer uma anda com uma câmera no bolso e os raios continuam caindo. Então que tal participar do primeiro concurso de vídeos e fotos de raio do INPE?

O concurso foi criado pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica, o ELAT, que faz parte do INPE, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Trata-se do primeiro concurso criado pelo instituto, e há uma boa explicação para isso: o Brasil é o país com maior incidência de raios no mundo inteiro, com uma média respeitável de 60 milhões de cargas por ano. A ideia é documentar mais o fenômeno, de forma amadora e cotidiana, já que o número de registros e documentações ainda é baixo, apesar da medalha de ouro do país.

Os interessados poderão participar com registros em vídeo e foto, e o vencedor receberá passagem de ida e volta para o Rio de Janeiro, para acompanhar a XIV Conferência Internacional de Eletricidade Atmosférica (ICAE 2011), onde sua imagem ou vídeo vitorioso será exibido. É a primeira vez que a conferência — a principal sobre o assunto em esfera global — acontece no hemisfério sul. E caso você não vença, saiba que as imagens poderão ser utilizadas no primeiro documentário brasileiro sobre o tema, batizado de “Fragmentos de Paixão – Que Raio de História”, e que deve ser lançado em 2012. Ou seja, quando aquele pé d’água cair, pegue sua câmera e tente registrar o momento. Só não faça isso com um câmera analógica, ok?

As informações completas e o regulamento do concurso podem ser encontradas no site da ELAT — basta clicar em notícias e concursos. As imagens serão coletadas até o dia 30 de junho. [ELAT]