Toda marca tem diretrizes para uso por terceiros. É assim, também, com grandes empresas da tecnologia. O Instagram revisou suas diretrizes e, nessa, passou a proibir o uso dos termos “insta” e “gram” em apps e serviços que se apoiam em sua API. O que, como você deve imaginar, impacta praticamente todos os apps e serviços que se apoiam em sua API.

A mudança nos termos de uso da marca atesta que ao batizar produtos ou serviços, não se pode “usar [os termos] ‘Instagram’, ‘IG’, ‘Insta’ ou ‘Gram’ no nome do seu app.” O primeiro a sentir a mudança foi o Luxogram, uma espécie de interface web para o Instagram. Ontem o site recebeu um email do Instagram/Facebook pedindo gentilmente para que eles troquem o nome do serviço justificando que o uso dos termos “Insta” ou “Gram” em serviços que trabalham com o Instagram é “prejudicial à marca Instagram”.

Quer aprender, descobrir e conhecer mais sobre desenvolvimento de apps e jogos? Então sugerimos que você visite o site do Short Stories Live, o primeiro evento do Gizmodo e do Kotaku no Brasil, sobre o novo PIB digital. Leia mais: www.sslive.com.br

A lista dos afetados é longa. Além do Luxogram, outros como Statigram, Luxogram, Webstagram, Gramfeed, Instadrop e Instagallery terão que mudar seus nomes. Alguns já se anteciparam, caso do 6tagram, tido por muitos como o melhor cliente de Instagram para Windows Phone, rebatizado para 6tag.

O mais curioso é que a versão anterior das diretrizes de uso da marca do Instagram incentivava o uso dos termos agora barrados:

“Embora você não possa usar a palavra ‘Instagram’ ou ‘IG’ no nome do seu produto, não tem problema usar um (mas não ambos) dos seguintes termos: ‘Insta’ ou ‘Gram’.”

O Instagram segue os passos do Twitter e da sua empresa-mãe, o Facebook, que uma vez tentou se apossar da palavra “book” (“livro”, em inglês). [TechCrunch, WPCentral]