A Intel acaba de anunciar oficialmente as versões de alta potência de sua arquitetura Broadwell. Trata-se da 5ª geração de processadores Intel Core i3, i5 e i7 que farão seu próximo laptop melhor do que nunca.

Os chips Broadwell já estão no mercado em alguns dispositivos híbridos ultrafinos, na forma de processadores Core M: anunciados em setembro, eles utilizam quantidades baixíssimas de energia para permitir a criação de dispositivos 2-em-1 sem ventoinha.

Agora, os modelos mais poderosos estão a caminho. Os primeiros serão processadores dual-core Core i3, i5 e i7; os modelos quad-core mais rápidos virão ainda este ano.

Estes novos chips Broadwell de quinta geração têm muito em comum com seus antecessores – a geração Haswell que trouxe grandes melhoras na duração de bateria. No entanto, este é um salto menor. O Broadwell é o “tique” no padrão de atualização “tique-taque” da Intel: é quando a empresa pega os chips do ano passado e os reduz em tamanho, em vez de usar uma arquitetura totalmente nova. O Broadwell usa um processo de fabricação de 14 nanômetros, contra os 22 nm do Haswell. Isso significa que cabem 35% mais transistores em um mesmo espaço – é a lei de Moore em ação.

Claro, o desempenho é melhor em relação aos processadores do ano passado, mas nada absurdo. Os ganhos de CPU são inferiores a 10%, mas a Intel diz que o Broadwell vai oferecer desempenho gráfico 20% melhor do que o Haswell, permitindo que os chips gráficos Intel HD, Iris e Iris Pro funcionem um pouco melhor, mesmo que não sejam capazes de lidar com gráficos pesados de próxima geração.

Da mesma forma, o Broadwell deve oferecer um aumento na vida útil da bateria: a Intel diz que ela dura uma hora e meia a mais que na geração Haswell, mas isso é no melhor cenário – isso varia de laptop para laptop.

Visão de Kinect e controles por voz

Intel RealSense

O Broadwell tem alguns truques novos. A tecnologia de câmera 3D Intel RealSense permite uma visão computacional semelhante à do Kinect, com um sensor de profundidade que funciona sem periféricos volumosos.

Na feira CES do ano passado, vimos várias demonstrações dessa tecnologia, desde jogos controlados por gestos até fotografias em 3D. Também vimos isso no tablet Dell Venue 8 7840, que muda o foco das fotos depois de tirá-las. Agora, esses truques virão a diversos laptops; a Acer já anunciou que seu novo Aspire V Nitro será lançado com a tecnologia, e há mais por vir.

>>> RealSense: como a Intel quer transformar o mundo em um Holodeck

Da mesma forma, a Intel inseriu suporte a controles por voz nos chips Broadwell. Assim, os assistentes de voz que temos em nossos smartphones podem migrar para a área de trabalho. Alguns chips anteriores da Intel já vieram com microprocessadores específicos para reconhecimento de voz, mas o Broadwell tem isso em todos os modelos.

Isso significa suporte embutido a ditado e a controles básicos por voz no PC, bem como alguns recursos específicos para certos programas – por exemplo, seria possível incluir comandos para pedir ao Spotify que toque determinada música. Isso deve ser integrado a assistentes por voz que virão nos próximos meses, como a Cortana do Windows 10.

Skylake

As vantagens do Broadwell têm uma ressalva. Devido a inúmeros atrasos da Intel, o sucessor chamado Skylake – que terá uma nova arquitetura – não deve demorar muito a chegar, com previsão de lançamento para o final do ano. E quando vier, ele vai superar a 5ª geração com a promessa de laptops que carregam a bateria sem usar fios.

Sim, a Intel costuma lançar novos processadores a cada doze meses, mas o Broadwell deve ser superado mais rápido que isso: afinal, os melhores processadores – com quatro núcleos – só virão em meados de 2015.

A Intel nos disse que, com o Skylake, “você pode esperar uma melhora significativa de desempenho, autonomia de bateria e eficiência de energia”. Então talvez seja melhor esperar, especialmente se você quer um chip mais veloz.