Chegou aquela época do ano em que a Intel, a maior fabricante de processadores para laptops e desktops do mundo, anuncia as entranhas do seu PC do futuro. Essas CPUs são sempre um pouco mais rápidas e um pouco mais eficientes quando se trata de energia. Neste ano, a companhia anunciou o Coffee Lake, a oitava geração dos processadores Core. Ele é rápido, eficiente e virá em um monte de laptops que serão lançados ainda neste ano.

• A Intel não tem ideia do que fazer com a realidade virtual, mas é divertido vê-la tentar
• O processador Intel Core i9 foi feito pra quem tem muita grana

Essa é terceira versão da microarquitetura Skylake que a Intel introduziu no mercado lá em 2015. Ele ainda tem 14 nanômetros, e assim como seus antecessores Skylake e Kaby Lake, o foco permanece na velocidade e melhoria de autonomia de baterias. E embora a Intel diga que existem ganhos consideráveis nessas duas áreas, o Coffee Lake não é um destaque tão grande quanto foram a família Skylake e a AMD Ryzen quando anunciadas. Eles são apenas… Mais rápidos.

Qual é a melhoria na velocidade?

Não tivemos a oportunidade de fazer testes de benchmark nos processadores Coffe Lake contra os antecessores Kaby Lake ou contra os chips Ryzen da AMD. Temos aqui muitas e muitas afirmações sobre velocidade que vêm da própria Intel. Essas afirmações giram em torno dos processadores Coffee Lake de 15 watt – aqueles que você provavelmente encontrará em laptops super finos e leves: pense no Dell XPS 13 ou no Razer Stealth (embora nenhuma empresa tenha anunciado suporte para esse processador ainda).

De acordo com a Intel, o Coffee Lake é, em média, 40% mais rápido do que o Kaby Lake quando se trata de processar números no Excel. A Intel também diz que ele consegue processar fotografias no Adobe Lightroom até 28% mais rápido e organizar e editar imagens em uma apresentação de slides até 48% mais rápido.

O chip no coração da CPU Coffee Lake

Essas afirmações sobre melhorias na velocidade aumentando quando a Intel compara os Coffee Lake com os processadores de cinco anos atrás. De acordo com a companhia, um vídeo 4K pode ser renderizado em apenas três minutos, enquanto isso demoraria 45 minutos há cinco anos. Esse tipo de comparação de velocidade é a maneira Intel de seduzir as pessoas que possuem computadores velhos a fazerem um upgrade.

E a autonomia de bateria?

No caso dos primeiros processadores da nova família Coffee Lake, a Intel afirma que eles chegam a 10 horas de autonomia ao visualizar conteúdos em 4K. Nos mesmos testes com o Kaby Lake no ano passado, a Intel deu a média em cerca de sete horas de autonomia. É um ganho considerável.

Há algo a mais de especial sobre eles?

Existe uma coisa muito legal sobre os novos processadores. A Intel está colocando mais núcleos no processador em si. Os processadores de 15 watt que foram o foco do anúncio de hoje possuem quatro núcleos. Em gerações anteriores, tinham apenas dois. Mais núcleos significa que o processador tem a habilidade de processar mais dados de forma mais eficiente. Pessoas que realizam tarefas intensas, como renderização de vídeo ou imagens, verão uma melhor performance com essa novidade.

Quando eu vou poder comprar?

Se você espera sair por aí, comprar um processador Coffee Lake hoje, e instalá-lo em seu PC, está sem sorte. A Intel anunciou apenas os processadores de 15-watt da “U-series” hoje. São os chips que marcarão presença nos laptops e 2-em-1. O que significa que comprá-los depende de quais companhias, como Dell e Asus, irão lançar produtos com este novo Intel.

Outros processadores Coffee Lake, como os para desktops e aqueles que vão em dispositivos de computação de baixo consumo de energia como o Apple Macbook, serão anunciados nos próximos meses.

Por enquanto existem apenas quatro processadores disponíveis:

Se você espera comprar um laptop com o Coffee Lake, fique de olho no que está sendo anunciado nesta semana na Gamescon em Colônia ou daqui duas semanas na IFA, em Berlim.

Todas as imagens: Intel