O iPhone 4 é um sucesso nos EUA, onde foi o smartphone mais vendido de 2010, e no Brasil também: foram cerca de 225 mil unidades vendidas desde setembro, segundo a IT Data – e o aparelho esgotou de novo nas lojas, sem previsão de reabastecimento de estoques.

Os números apurados pela consultoria não incluem os aparelhos importados pelos clientes, apenas os vendidos oficialmente pela Apple, então o número pode ser maior. O primeiro lote, de 75 mil unidades, começou a ser vendido em setembro e esgotou em menos de um mês; e o segundo lote, de 150 mil, praticamente esgotou em dezembro.

De acordo com a Folha, depois do Natal os estoques do iPhone 4 não foram repostos no Brasil. Mas as operadoras parecer estar se mexendo: a TIM disse que deve receber um novo estoque nas próximas semanas; a Oi diz que “novas distribuições [do iPhone 4] estão sendo feitas” e recomenda o site www.oiequipamentos.com.br para quem quiser comprar o aparelho agora. A Claro só recomenda colocar seu nome em lista de espera nas lojas, enquanto a Vivo diz que “nenhuma lista de espera está sendo elaborada”.

Imagino que, a essa altura do campeonato, a maioria das pessoas que queiram comprar um iPhone 4 não é viciada em tecnologia: os early adopters já devem ter comprado o seu há meses, talvez antes mesmo de o aparelho ter sido lançado no Brasil; e quem é mais geek como a gente deve ter passado a noite em filas e comprado o seu. Mas o iPhone faz sucesso justamente por isso: ele tem grande apelo para o público em geral, não é (apenas) para entusiastas. Claro, pode haver exceções nessa história: você é viciado em tecnologia e quer o iPhone 4, mas não conseguiu comprar?

Bem, como a escassez de iPhones não é problema só no Brasil – o presidente da Apple, Tim Cook, reconhece que a produção mundial ainda não atende a demanda – então fica uma ideia para quem ainda não conseguiu comprar: dê uma olhada na concorrência. Ou espere mais um pouco. [Folha e Estadão]