A iRobot, que faz os robôs-aspiradores Roomba, deu mais um passo em direção a uma faxina completamente autônoma. O novo i7+ tem uma base grandona que remove e armazena a poeira e os detritos em sacos descartáveis de tamanho considerável, de forma que você não precisa trocá-los com tanta frequência.

É uma ótima ideia que vimos antes e veremos mais vezes. Para manter os robôs pequenos o bastante para entrar em pequenos espaços e limpar debaixo de móveis, não dá para colocar reservatórios muito grandes neles. Usar uma dock grande o suficiente para esvaziar o reservatório cerca de 30 vezes pode ser uma boa solução até que consigam fazer um aparelho que jogue a sujeira direto na lixeira.



Claro, isso tem um preço. O Roomba i7+ chega como o limpador autônomo mais caro da linha, custando US$ 950 (R$ 3.939,55, em conversão direta). É um preço comparável aos modelos mais caros das concorrentes nos EUA, como os topos de linha da Neato e o Dyson 360 Eye. Para compensar todo esse dinheiro gasto e manter seu produto competitivo, a iRobot também colocou outros recursos no i7+.

Assim como os modelos anteriores da linha Roomba, o i7+ conta com uma câmera olho de peixe em seu topo para visualizar os cômodos da sua casa e planejar uma rota de limpeza mais eficiente. Ele consegue armazenar os esquemas de dez ambientes, e você pode visualizá-los em um app.

O i7+ também permite que seu dono nomeie as áreas identificadas pelo robô e programe a faxina de cômodos específicos. É bem parecido com a Zone Cleaning da última atualização dos robôs da Neato. Isso parece um grande salto na autonomia do Roomba — anteriormente, para limpar um cômodo ou área específica muito distante da base, você tinha que pegar o aspirador e levá-lo até o lugar antes de ordenar a faxina.

O i7+ também representa que acabou a época de comprar um aspirador robótico por algumas poucas centenas de dólares. Isso não é ruim, porém. Os primeiros modelos da linha Roomba eram ótimos em manter o chão arrumado nos dias entre uma faxina e outra, mas ainda era necessário usar um aspirador tradicional para uma limpeza mais pesada.

Com melhorias nos sensores, no mapeamento, na duração da bateria e até mesmo no poder de sucção, esses robozinhos têm o potencial de substituir completamente um equipamento convencional. O iRobot está em pré-venda e deve ser entregue aos consumidores no dia 12 de setembro.

[iRobot via IEEE Spectrum]

Imagens: iRobot