Meu primeiro computador foi da Itautec. Era um Infoway comprado na finada Lojas Arapuã, que se gabava de ter recursos multimídia – até controle remoto! – e estar pronto para acessar a internet discada. Este também foi meu último computador da Itautec.

Agora, os PCs feitos pela empresa também serão apenas uma lembrança: a Itautec anunciou hoje que vai desativar sua unidade de computação, responsável por fabricar desktops, laptops e servidores.

Para quem comprou algum produto da empresa, ela diz que manterá seus compromissos de garantia e manutenção:

A unidade de computação da Itautec será paulatinamente desativada sem qualquer prejuízo ao cumprimento integral de todos os contratos e obrigações de fornecimento, manutenção e garantia dos equipamentos da marca Itautec/InfoWay, bem como o atendimento ao consumidor e os serviços associados a essa manutenção.

A mudança faz parte de uma reestruturação da Itautec, que não está limitada a PCs.

Você já deve ter visto um caixa eletrônico ou terminal de autoatendimento com a marca Itautec, não? Eles fazem parte da área de automação, que será controlada pela japonesa Oki Electric Industry após comprar 70% de participação. O negócio foi firmado por cerca de R$100 milhões, segundo a Reuters, e depende da aprovação dos órgãos reguladores. A área de serviços de TI também será controlada pela Oki.

Há anos, a Itautec não obtém resultados financeiros expressivos. Desde 2010, apesar de uma receita de R$1,5 bilhão a cada ano, a margem de lucro sempre girava em torno de 0%.

O mercado de PCs é saturado e traz margens de lucro baixas; além disso, as vendas estão em queda. Segundo a IDC Brasil, a venda de PCs no país caiu 2% no ano passado, totalizando 15,5 milhões de unidades. No mesmo período, a Itautec vendeu só 585 mil computadores.

À medida que os concorrentes estrangeiros se fortalecem, as fabricantes nacionais perdem relevância. A CCE foi comprada pela Lenovo; a Amazon PC sumiu há anos; e agora a Itautec deixará de existir. A empresa confirma que sua divisão de PCs não será vendida para terceiros, e sim desativada.

Espero que a empresa realmente cumpra sua promessa de manter o suporte técnico a seus clientes, apesar de não ser um deles: eu não compro um computador da Itautec desde meu primeiro PC, em 1997. Em mim, tudo o que ela deixará é nostalgia. [Itautec via Reuters]