O Telescópio Espacial James Webb está cada dia mais perto de estrear para valer. Na última semana, a NASA anunciou que o alinhamento de seus espelhos estava completo. Isso permitiu que a ferramenta capturasse imagens perfeitamente nítidas da Grande Nuvem de Magalhães. 

Agora, o telescópio parte para mais uma etapa crucial: testar sua estabilidade térmica. São necessárias temperaturas extremamente baixas para que o maquinário opere na frequência infravermelha e enxergue os primórdios do Universo. 

O James Webb possui cinco camadas de proteção solar, além de instrumentos capazes de resfriar o telescópio. Porém, ele está em constante movimento pelo universo, podendo receber mais ou menos raios solares a depender de sua posição. 

Para testar se a ferramenta está apta a diferentes temperaturas, os pesquisadores devem ficar mudando seu ângulo por um período. Primeiro, o telescópio passará cerca de uma semana em uma posição considerada fria e depois retornará por alguns dias a um campo quente.

Nesse meio tempo, a equipe da NASA deve acompanhar o comportamento do James Webb, apontando eventuais oscilações do instrumento e verificando sua estabilidade térmica. Quanto melhores os resultados dos testes, melhor o desempenho do telescópio e a qualidade das imagens obtidas por ele. 

Depois que todas as operações de teste do James Webb estiverem concluídas, o telescópio estará pronto para iniciar suas observações. Seu funcionamento pleno e o envio das primeiras imagens ligadas à missão estão previstos para junho ou julho.