O maior planeta em nosso Sistema Solar é também o mais bonito, como revela a mais recente imagem capturada pela Juno.

• A radiação de Júpiter pode prejudicar nossa busca por vida alienígena na lua Europa

Desde a sua chegada a Júpiter, em 5 de julho de 2016, a espaçonave Juno, da NASA, completou 16 sobrevoos próximos — chamados de “perijoves” — do gigante de gás. A cada perijove sucessivo, a espaçonave chega cada vez mais perto do planeta, permitindo que a sonda tire fotos cada vez mais nítidas com sua JunoCam, de alta resolução.

A imagem mais recente, tirada em 29 de outubro, quando a Juno estava a apenas sete mil quilômetros dos topos das nuvens de Júpiter, é uma das melhores já registradas.

Imagem: NASA/JPL-Caltech/SwRI/MSSS/Gerald Eichstädt/Seán Doran

Essa foto com cor aprimorada mostra o Cinturão Temperado Norte de Júpiter, uma faixa laranja-avermelhada proeminente que está localizada em uma latitude de cerca de 40 graus ao norte. Uma grande tempestade anticiclônica, conhecida como oval branca, aparece em destaque na foto, juntamente com várias pequenas nuvens brancas. As regiões escuras são onde as nuvens se estendem mais profundamente, em direção ao interior do planeta; o experimento JIRAM, da Juno, que usa infravermelho, sugere que essas regiões mais escuras são mais quentes, segundo a NASA.

Imagem aproximada dos topos de nuvens brancas. Imagem: NASA/JPL-Caltech/SwRI/MSSS/Gerald Eichstädt/Seán Doran/Gizmodo

A Juno que capturou essa foto, mas os cientistas cidadãos Gerald Eichstädt e Seán Dora foram os responsáveis por processar a imagem. Fotos raw tiradas pela sonda estão disponíveis para o público.

A Juno está programada para completar 35 perijoves, então o melhor ainda está por vir. A missão será concluída em julho de 2021, quando a espaçonave irá, deliberadamente, colidir com o planeta.

[NASA]