Obrigado, sonda Juno, por esta gloriosa nova imagem das regiões mais ao sul de Júpiter — e por nos lembrar da beleza que existe dentro do nosso tumultuado Sistema Solar.

• NASA estende missão da Juno em Júpiter por mais três anos
• Novos resultados da sonda Juno mostram estranheza da Grande Mancha Vermelha de Júpiter

Observem o hemisfério sul de Júpiter, visto a uma distância de 71 mil km e acima de uma latitude sul de 71 graus. A sonda Juno, da NASA, tirou a foto (que foi colorida posteriormente) durante um encontro orbital particularmente próximo em 23 de maio de 2018. A sonda está em uma órbita polar única, e é por isso que finalmente conseguimos ver as regiões inferiores desse enorme planeta.

Vista mais próxima das tempestades, levemente ajustadas para ter maior brilho. Imagem: NASA/JPL-Caltech/SwRI/MSSS/Kevin M. Gill/Gizmodo

A ponta sul de Júpiter, assim como a norte, está cheia de tempestades. As características ovais são ciclones, o maior dos quais mede até mil quilômetros de diâmetro. É fácil esquecer a escala ao olhar para uma imagem como essa; mais de 1.300 Terras caberiam dentro desse gigante gasoso.

Vistas do polo sul de Júpiter, capturadas pela Juno em fevereiro de 2018. Imagem: NASA/JPL-Caltech/SwRI/MSSS/Gerald Eichstädt

A Juno chegou em Júpiter em 4 de julho de 2016 e, apesar de ter órbitas maiores que o planejado, a sonda enviou uma série de dados valiosos. No começo de junho, a NASA anunciou que a missão da Juno seria estendida até 2021, o que significa que podemos esperar mais imagens como essa, além de mais descobertas sobre o funcionamento interno do maior planeta do nosso Sistema Solar.

Imagem do topo: NASA/JPL-Caltech/SwRI/MSSS/Kevin M. Gill