Se em sua volta, amigos e familiares só usam smartphones, saiba que você é privilegiado, sim. O fato é que ainda existe muitos feature phones (celulares com sistemas simples) por aí, seja pela limitação de conexão em determinados locais ou mesmo pelo alto preço dos celulares inteligentes. Pensando neste público é que surge o KaiOS, um sistema operacional para aparelhos simples, que conta com algumas funções de smartphones (como suporte ao WhatsApp), e que deve desembarcar em breve no Brasil.

Até o momento, pelo menos três marcas que atuam localmente já estão considerando trazer aparelhos com o KaiOS: Positivo, SempTCL e Multilaser.

O KaiOS é baseado em Linux e é praticamente uma ressureição do Firefox OS (lembra?). A ideia por trás dele é ser um meio termo entre um smartphone e um feature phone (que eles chamam de “smart feature phone“) por ser um dispositivo simples com funções mais espertas.

Estamos falando aqui de aparelhos com bateria que duram dias, tenham telas pequenas e possibilitem uso de redes sociais, navegação na internet e comandos de voz. Sobre preço, a ideia é ficar em algo entre R$ 250 e R$ 300 — pelo menos estas foram as estimativas que alguns fabricantes nos deram.

Em entrevista do TechCrunch, Sebastien Codeville, CEO do KaiOS Technologies, ressalta a questão do preço como atrativo dos aparelhos com o KaiOS. “Smartphones são relativamente baratos, com aparelhos baratos na casa dos US$ 35, mas os KaiOS têm preço entre US$ 15 e US$ 20. É ainda a metade do preço de um smartphone. Além disso, há feature phones com preço entre US$ 7 e US$ 8, mas eles não têm acesso a maioria dos serviços móveis. Então, o KaiOS fica no meio dessas alternativas.”

Codeville ainda diz que apesar do apelo para mercados emergentes, existe também a possibilidade de atingir públicos em mercados mais maduros, como idosos (que preferem aparelhos mais simples), trabalhadores manuais que precisam de dispositivos mais resistentes e praticantes de esportes radicais. Ou mesmo, no caso do Brasil, poderia servir até como um aparelho para ir a eventos com grandes aglomerações, como blocos de Carnaval.

Lógico, a loja de apps do KaiOS não é das mais vastas, mas as grandes plataformas estão de olho no crescimento. Já tem versão do Facebook e do WhatsApp para o KaiOS. Além disso, o Google apresentou na Mobile World Congress 2019 funções do Assistant para a plataforma — o que deve ajudar no processo de fazer buscas e digitação com a função Voice Typing (como é difícil digitar nos teclados desses aparelhos, eles deverão contar com um conversor de voz em texto).

Celulares com sistema KaiOSAlguns dos celulares com o sistema KaiOS. Este amarelão em destaque é o Nokia do “Matrix”. Crédito: KaiOS

Ué, mas quem vai querer algo assim em pleno século 21? A GSMA (Global System for Mobile Communications Association), um grupo que reúne operadoras móveis de todo o mundo, estima que 134 milhões de pessoas na Índia não têm capacidade financeira para comprar o smartphone mais barato com acesso à internet. Só no país asiático, foram vendidos 54 milhões de unidades de celulares com o KaiOS — mundialmente já foram comercializados 85 milhões.

Esses números absurdos atingidos na Índia fizeram com que a plataforma se tornasse a segunda do país, perdendo apenas para a plataforma Android. No mundo, o KaiOS já é a terceira plataforma, segundo o StatCounter, muito atrás de Android e iOS, respectivamente.

Então, se existe este tipo de desafio no segundo maior mercado de telefonia móvel do mundo, por aqui, o quarto mercado, também tem essa demanda.

Apesar dos feature phone estarem em declínio no Brasil, o fato é que existem muitas áreas sem cobertura 3G ou 4G no território nacional, então ainda existe mercado para este público que busca aparelhos mais simples

Por ora, dentre as fabricantes locais, a Positivo está entre as que devem lançar ainda neste ano aparelhos com KaiOS no mercado nacional. “O fato é que existe um grande potencial em áreas de baixa renda do país e que acabam tendo um desafio semelhante com o da Índia”, disse Jorge Bosch, gerente de produto da Positivo, em conversa com o Gizmodo Brasil.

Reinaldo Paleari, gerente de mobilidade da SempTCL, pensa de forma parecida. Segundo ele, o mercado de feature phones atende vende 2,7 milhões por ano e que atende prioritariamente um público com limitações financeiras. Neste processo, diz, o “KaiOS é uma maneira de trazer um pouco mais de funcionalidades para esses aparelhos e para este público”.

Ainda não há previsão para chegar ao Brasil, algumas empresas disseram que a expectativa é de tê-los no terceiro trimestre, enquanto outras preferiram não dar detalhes.

No entanto, o objetivo da Positivo, uma das que vão trazer aparelhos KaiOS ao Brasil, será trabalhar no varejo para tornar esses aparelhos conhecidos. “Trabalhamos muito com nosso principal canal de vendas, que é o varejo. É um ponto focal muito importante para explicar isso aos consumidores. Além disso, temos presença em todos os estados e trabalhamos bastante com nossos parceiros”, afirmou Boerch, da Positivo.

Para ter algum sucesso, fico pensando que esses aparelhos também devam vir com boas ofertas de planos móveis. Na Índia, a operadora Jio adotou uma tática arriscada de oferecer dados e voz ilimitados para os compradores dos aparelhos. Fico curioso para saber se tal prática vai se repetir no Brasil.