Os livros não vão desaparecer tão cedo. Mas, assim como as revistas, eles vão evoluir. E se essa evolução for parecida com estes conceitos, nosso futuro literário será bem agradável.

Estas três explorações, feitas pela empresa de design IDEO, representam uma direção diferente para onde a tecnologia dos livros poderia ir. Mas o que elas têm em comum – conectividade, aspecto social, funções interativas – entrelaçam as tendências tecnológicas do nosso tempo de uma forma que melhora a experiência de leitura sem criar distrações.

Será que leremos assim daqui a dez anos? Improvável. Mas alguém vai pegar as melhores partes de Nelson, Coupland e Alice e torná-la disponível para a gente em algum momento. Tem muita coisa boa aqui que não pode ser desperdiçada. [Brain Pickings]