Os dirigíveis perderam muita popularidade depois do desastre de Hindenburg em 1937. Mas uma empresa busca reviver a tecnologia com a maior aeronave da Terra.

Com 90 m de comprimento, o Airlander 10 é um dirigível 25% maior que um Boeing 747. O volume dele é de cerca de 38 milhões de metros cúbicos, pode atingir mais de 6.000 metros de altura e voar a 144 km/h. O dirigível é feito pela Hybrid Air Vehicles (HAV), uma companhia britânica que quer construir aeronaves silenciosas que também não poluem.

Assim como outros dirigíveis, o Airlander não possui estrutura interna, mantendo o formato inflado com uma carcaça cheia de gás hélio feita de Vectran, uma fibra rígida composta de polímeros de cristal líquido, resistentes a cortes e umidade. Ele também pode levantar voo e pousar em qualquer lugar, como um helicóptero — não há necessidade de equipe de terra ou infraestrutura adicional.

1286846237684284740

Mas por que construir um veículo tão grande, mas de tecnologia considerada tão antiquada? Devido ao potencial cargueiro da aeronave.

A empresa afirma que o Airlander 10 pode carregar até 10 toneladas por mais de 2.400 km de distância. É possível até argumentar que ele não passa de um drone gigante, já que ele pode voar sem um piloto. Com humanos dentro, a companhia diz que ele pode ficar flutuando por até cinco dias no ar, e caso não seja controlado por humanos, até duas semanas sem a necessidade de reabastecimento. Estas são especificações que abrem possibilidades para a vigilância militar.

Apesar da construção mais leve que o ar, a aeronave é repleta de tecnologias úteis, como um radar climático que o ajuda a evitar tempestades. De acordo com a CNN, a monstruosidade flutuante poderia, no futuro, ser energizada por painéis solares, e a companhia também afirma que ele queima apenas 20% do combustível usado por aviões normais.

A HAV planejava construí-lo para o exército americano (não é para menos o logo do exército presente no vídeo abaixo), mas cortes orçamentários o mantiveram no Reino Unido. A companhia conseguiu assegurar US$ 5 milhões do governo britânico, e fará os primeiros testes de voo até o final deste ano.

Não acredito que os dirigíveis irão algum dia rivalizar aviões, mas eles já mostraram que podem retomar os céus. É bom um pouco de ceticismo, mas esperamos que essas fortalezas infláveis consigam levantar voo no futuro.

[Hybrid Air Vehicles via Popular Science  e CNN]

Fotos por HAV/YoutubeFacebook