O maior vulcão do planeta — e um dos maiores conhecidos do sistema solar — ficou escondido por todo esse tempo. Cientistas encontraram o grandão descansando no fundo do mar. É um monstro.

O Tamu Massif está no fundo do Pacífico, próximo à costa leste do Japão e ocupa 308 km² em sua base, sendo um pouco menor que o estado inteiro de Goiás. E embora ele fique longe da superfície, seu pico tem 3,5 km de altura. É quase metade da altura do Monte Everest.

Embora o Tamu Massif seja um tanto menor que o gigantesco vulcão marciano Olympus Mons, o maior vulcão conhecido do nosso sistema solar com 19,3 km de altura, em volume ele é apenas 25% menor.

É difícil um negócio tão grande passar despercebido, e os cientistas desconfiavam de que havia alguma coisa lá embaixo. Mas eles acreditavam que era um grande sistema com vários vulcões até que uma equipe de pesquisadores da Universidade Texas A&M descobriu que, na realidade, trata-se de apenas um vulcão. Eles publicaram a descoberta na Nature Geoscience. Ah, e o nome Tamu? Não, não tem nada a ver com kaijus; é apenas as iniciais da universidade — em ingles, Texas A&M University.

Felizmente, o Tamu Massif provavelmente está inativo há tempos. As erupções que o ajudaram a crescer a esse tamanho enorme aconteceram há 114 milhões de anos. Desde então, a situação é calma na região. E, esperamos, continuará assim.

Talvez existam outros gigantes desconhecidos por aí; o oceano é um lugar enorme. Mas até que encontremos outro adormecido colossal nas profundezas do mar, o Tamu Massif continuará sendo um rei imponente. [Phys.Org. Imagem: Texas A&M Integrated Ocean Drilling Program]