Uma hora com o Zune HD inspirou um momento de êxtase para o repórter da CNET Donald Bell, que, quase sem fôlego, disse ao mundo: "Eu acho que estou reafirmando a minha fé na Microsoft". Dando uma lida nas suas impressões, não é difícil ver por quê.

Nós tivemos alguns minutos com o Zune HD logo que ele foi anunciado, e tudo pareceu digno de empolgação, mas aquilo foi só um gostinho. Agora se sabe que a relativa estagnação do Zune durante os últimos anos não foi por nada. O hardware dá a sensação de ser "caro, sólido e sexy" e a tela OLED de 3,3 polegadas é "incrível", enquanto o software — particularmente as telas de execução de música e recomendações musicais — está quilômetros à frente da interface já bacana do Zune atual. É legal saber que as nossas expectativas foram alcançadas, mas há uma bomba atômica enterrada por aqui, alguns parágrafos mais à baixo:

Falando em Wi-Fi, o novo navegador de web do Zune é o ó. A última vez que eu fiquei impressionado assim com um navegador de celular foi a primeira vez que eu usei um iPhone. Não tem nenhuma marca no navegador, mas eu fui informado que ele foi projetado pela equipe do Internet Explorer (faz sentido). [Nota do editor: faz?] O carregamento das páginas foi firme, e os gestos, zoom e reorientação das páginas funcionam exatamente como no iPhone e no iPod Touch.

Como pode afirmar qualquer um que tenha usado o Windows Mobile nos últimos X anos (onde X = todos), incluindo a época do bem-melhor-mas-ainda-meramente-tolerável Mobile IE 6, isso é algo que literalmente demorou. Eu só espero que o Bell não tenha sido tomado pela emoção do momento; se estas observações forem indicação do produto final, o Zune HD pode ver a ser algo Muito Importante. Se a Microsoft acordar para a vida e tacar uma antena de celular nesse negócio, pode vir a ser algo Muito Muito Muito Importante. [CNET]