Mais de 1 milhão de anos antes do hominídeo primitivo conhecido como Lucy cruzar a região de Afar, na Etiópia, o menos conhecido Ardipithecus ramidus vagava aproximadamente na mesma área. Uma equipe de antropólogos examinou a mão fossilizada de 4,4 milhões de anos de um espécime (carinhosamente apelidado de “Ardi”) e argumentou que os ancestrais humanos podem ter se pendurado nas árvores com mais frequência do que se pensava anteriormente.

Publicada na quarta-feira (24) na revista Science Advances, a análise comparativa da equipe foca na morfologia da mão de Ardi no contexto de parentes extintos e existentes. Analisados em conjunto com ossos de outras partes de nossa árvore genealógica, os traços da mão de Ardi indicam quando as adaptações específicas atualmente observadas em diferentes primatas aconteceram. Especificamente, saber como Ardi se moveu nos deixa mais perto de saber como nós (Homo sapiens) nos tornamos primatas terrestres e bípedes.

A equipe de Thomas Cody Prang, antropólogo biológico da Texas A&M University e principal autor deste artigo recente, observou alguns traços-chave da mão de Ardi que indicavam como ela pode ter se movido. As falanges do espécime eram longas em relação ao tamanho estimado do corpo. Os ossos também se curvavam para dentro, sugerindo que a mão estava predisposta a agarrar coisas. “O fato de que o Ardipithecus se sobrepõe em comprimento e curvatura do dedo à maioria dos primatas suspensórios implica fortemente que o Ardipithecus foi adaptado à suspensão”, disse Prang.

“Bem, isso não significa que, você sabe, os humanos evoluíram de um ancestral que parecia exatamente com um chimpanzé”, acrescentou ele em um telefonema. “Isso não significa que os chimpanzés sejam fósseis vivos ou que os próprios chimpanzés não tenham evoluído. Em vez disso, nosso estudo mostra que o Ardipithecus e, provavelmente, os primeiros fósseis de humanos retêm características de um ancestral que é mais semelhante aos chimpanzés e bonobos do que a qualquer outro primata vivo.”

Ardipithecus e Lucy foram encontrados na região Afar da Etiópia. Foto: Wikimedia Commons (Fair Use)

Originalmente escavado e descrito no início dos anos 1990 por uma equipe liderada pelo paleoantropólogo Tim White, o Ardipithecus ramidus recebeu mais atenção após a descrição de 2009 de um esqueleto parcial (apelidado de Ardi) na revista Science. White não concorda com as descobertas do artigo recente, com base nos ossos e espécimes específicos selecionados para análise e na exclusão de outros.

“Não contestamos o fato bem estabelecido de que a mão humana evoluiu ao longo do tempo. No entanto, não há novos dados ou interpretações aqui”, escreveu White em um comunicado por e-mail. “Não podemos levar esses autores a sério até que eles entendam a anatomia única da mão de Ardi, em vez de usar medidas selecionadas e limitadas em um argumento post hoc que dá embasamento à noção desacreditada de que nossos ancestrais eram especificamente parecidos com chimpanzés.”

Em 2009, a equipe de White argumentou que Ardi não tinha características que indicassem que ele era adequado para uma vida de macaco; faltava uma configuração morfológica para se balançar por entre as árvores, escalá-las e caminhar sobre os nós dos dedos. A equipe de White postulou que o último ancestral comum entre humanos e chimpanzés era provavelmente muito diferente de qualquer macaco existente.

A equipe de Prang argumenta o oposto neste artigo, afirmando que o ancestral (que precedeu Ardi) era mais próximo dos chimpanzés do que de qualquer outra coisa. Eles continuam relatando que mãos mais parecidas com as humanas aparecem primeiro com o Australopithecus afarensis mais familiar, a espécie de Lucy.

Assine a newsletter do Gizmodo

A dispersão do registro fóssil não ajuda muito, embora a mão de Ardi seja mais completa do que a da Lucy mais jovem. Prang acrescentou que as interpretações da mão de Ardi são úteis para estreitar os marcos do que podem ter sido as circunstâncias de sua evolução (e o que surgiu antes e depois de Ardi).

“Isso ilustra que, na ciência, não estamos provando que algo seja verdade. Em vez disso, estamos descartando hipóteses e alternativas que provavelmente são falsas”, disse Prang. “Neste caso, a hipótese de que os humanos evoluíram de um ancestral sem características suspensivas e de um ancestral mais parecido com o de um macaco, acho que pode ser descartada com base no Ardipithecus.”