Uma pequena startup de manutenção de máquinas de sorvete está movendo um processo milionário contra o McDonald’s. A empresa, que já trabalha nas maquinas do restaurante há algum tempo, acusa o gigante do fast food de propaganda enganosa e de prejudicar seus atuais e futuros clientes.

A startup em questão é a americana Kytch, que, com o auxílio de inteligência artificial, fornece controle remoto, dados, análises em tempo real e faz manutenção preditiva em equipamentos de produção de sorvete. Na última terça-feira (1) a empresa entrou com um processo legal contra o McDonald’s.

A empresa de apenas dois donos está pedindo a bagatela de quase US$ 1 bilhão para a rede de fast food. “Eles assustaram nossos clientes e arruinaram nossos negócios”, disse Melissa Nelson, cofundadora da Kytch.

A startup trabalha vendendo um pequeno dispositivo do tamanho de um smartphone, que é embutido dentro das máquinas de sorvete para auxiliar o monitoramento do equipamento. Os gadgets da Kytch interceptam as comunicações internas das máquinas de sorvete e as enviam para um smartphone, para ajudar os proprietários a monitorar e solucionar remotamente eventuais defeitos dos aparelhos.

Entretanto, a empresa descobriu que, desde novembro de 2020, o McDonald’s vem entrando em contato com seus franqueados, aconselhando-os a retira os gadgets das máquinas. Segundo a rede, a alegação é que o dispositivo oferece risco de vida aos seus funcionários e também viola as garantias das máquinas de sorvete, além de interceptar suas “informações confidenciais”.

A Kytch teve acesso a centenas de e-mails trocados entre a gigante de fast-food e seus clientes. Melissa Nelson alega que as mensagens eletrônicas causaram grandes prejuízos para a staturp.

Segundo ela, além das inúmeras, maquinas quebradas nos últimos meses, eles também limitaram as vendas de rápido crescimento da Kytch, assim que a startup estava decolando.
Até o final de 2020, a empresa tinha uma lista com 500 clientes e estava faturando mais a cada trimestre. Entretanto, após o alerta da empresa arcos dourados, essa clientela despencou.

“Eles mancharam nosso nome. Assustaram nossos clientes e arruinaram nossos negócios. Eles eram anticompetitivos. Mentiram sobre um produto que disseram que seria lançado. O McDonald’s tinha todos os motivos para saber que Kytch estava seguro e não tinha nenhum problema. Não era perigoso, como eles alegaram. Por isso entramos com um processo”, disse Nelson em entrevista para a revista Wired.

Até o momento, o McDonald’s não se pronunciou sobre o assunto, e corre o risco de pagar US$ 900 milhões caso não comprove que de fato os gadgets oferecem riscos e danos reais as máquinas e as pessoas que as manuseiam.