Megacometa K2 se aproxima da Terra; veja como e onde observá-lo

Objeto foi descoberto em 2017 e é considerado um dos maiores cometas já vistos. Ele poderá ser avistado do Brasil
Megacometa K2 se aproxima da Terra; veja como e onde observá-lo
Imagem: NASA/Divulgação

O cometa K2 ficará próximo da Terra como nunca no início da madrugada da próxima quinta-feira (14). O objeto – cujo nome completo é C/2017 K2 (PanSTARRS) – chamou a atenção dos astrônomos por ser o cometa ativo mais distante já visto, sendo também um dos maiores descobertos.

O aguardado encontro acontecerá às 00h09 (horário de Brasília), quando o cometa K2 passará a 270,5 milhões de quilômetros do nosso planeta — quase duas vezes a distância entre a Terra e o Sol.

Apesar de ser considerado o maior cometa já visto, o objeto não será visível a olho nu. Estima-se que ele alcance durante esta aproximação até a magnitude 7, sendo observável apenas por aqueles quem possui binóculos e telescópios. Segundo o site Sky Live, o cometa estará na constelação de Ofiúco, visto no Brasil na direção do horizonte noroeste, durante a madrugada.

A expectativa é que o cometa ficará mais brilhante nos meses seguintes, quando ele se aproximar ainda mais do Sol, no dia 19 de dezembro.

Trajetória do cometa C/2017 K2 (PanSTARRS), mas conhecido como "K2"

Trajetória do cometa C/2017 K2 (PanSTARRS), mas conhecido como “K2”. Imagem: NASA/Divulgação

A primeira viagem do megacometa K2

Descoberto em 2017, o cometa – mesmo distante do Sol – já se mostrava bastante ativo, apresentando uma enorme nuvem de poeira de 128 mil km de largura, quando ele estava há mais 2,4 bilhões de km de distância da Terra, além da órbita de Saturno.

Segundo o Space, o tamanho do núcleo cometa ainda é alvo de debate, com astrônomos sugerindo tamanhos entre 18 e 160 km de diâmetro. Para comparação, o famoso cometa Halley tinha um núcleo — com um formato de batata — medindo entre 8 e 15 km de diâmetro.

O K2 é originário da Nuvem de Oort, que abriga centenas de bilhões de cometas e se estende por quase um ano-luz. Acredita-se que esta seja a primeira vez que o K2 viaja entre os planetas do Sistema Solar.

Com base nos dados do Telescópio Espacial Hubble, o cometa vem liberando gases voláteis congelados, provavelmente oxigênio, nitrogênio, dióxido de carbono e monóxido de carbono. Como esta é a primeira vez que o objeto se aproxima do Sol, os astrônomos terão a oportunidade de estudar os materiais deste cometa primitivo, revelando como pode ter sido a composição da nebulosa que deu origem ao Sistema Solar, há cerca de 4,6 bilhões de anos.

Hemerson Brandão

Hemerson Brandão

Hemerson é jornalista, escreve sobre espaço, tecnologia e, às vezes, sobre outros temas da cultura nerd. Ele também é grande entusiasta de astronomia, interessado em exploração espacial e fã de Star Trek.

fique por dentro
das novidades giz Inscreva-se agora para receber em primeira mão todas as notícias sobre tecnologia, ciência e cultura, reviews e comparativos exclusivos de produtos, além de descontos imperdíveis em ofertas exclusivas