Os paparazzi hoje em dia fazem de tudo para uma foto. Até mesmo mergulhar embaixo d’água todas as noites por quatro anos. Essa foto acima, compartilhada na bioGraphic nesta quarta-feira, mostra um faminto castor-europeu nadando com um ramo de álamo, a caminho de alimentar seus filhotes no Vale do Loire, na França. Outras pessoas já tiraram fotos de castores molhados antes (é a internet, afinal de contas), mas essa é bem excepcional. E, aparentemente, foi uma foto difícil de conseguir para o fotógrafo Louis-Marie Preau.

• Como a glaciação pode explicar por que as baleias são tão enormes
• Este bode ciclope está claramente treinando para entrar nos X-Men



A bioGraphic escreve:

Levou quatro anos para [Preau] capturar com sucesso essa cena íntima. Todas as noites, vestindo equipamentos de mergulho e pesos, ele deitava imóvel no leito do rio por duas a três horas. Enfim, em uma noite, sua paciência foi recompensada. Preau tinha acabado de mergulhar na água e de se posicionar quando esse (castor-europeu) adulto voltou com uma ramo de álamo recém-colhido para alimentar seus três filhotes.

O castor-europeu era comum antes de os humanos aparecerem, mas nós decidimos dizimar sua população, começando na era medieval. No começo do século XX, havia aproximadamente 1.200 restantes, de acordo com a International Union for the Conservation of Nature. Em sua maioria, os humanos caçaram os castores por sua pele, sua carne e seu castóreo, uma secreção das glândulas próximas aos seus bumbuns, usado como aromatizante de comida.

Porém, medidas de conservação trouxeram de volta, desde então, populações de castores-europeus. Hoje em dia, eles estão se expandindo rapidamente.

Os castores são legais por vários outros motivos além do seu traseiro aromatizante — como espécie-chave, eles têm um forte efeito no ambiente. Suas barragens podem criar pantanais de que outros animais dependem e até limpar a água e reduzir a erosão, de acordo com uma ficha informativa do órgão Animal Protection of New Mexico.

Enfim, vai lá alimentar seus filhotes, amiguinho.

Imagem do topo: Louis-Marie Preau/biographic