Depois de ser mantido por tanto tempo (talvez até demais) em seus últimos suspiros de vida, o Flash finalmente será enviado para o grande disco rígido no céu no final deste ano. Para tornar o adeus um pouco mais fácil, a Microsoft lançou uma nova atualização do Windows que elimina o Flash Player antes de seu desaparecimento em 31 de dezembro.

Muito parecida com uma fatalidade do mundo real, a atualização da Microsoft (que pode ser baixada através do Catálogo do Microsoft Update aqui) enfatiza que, uma vez que você optar por instalá-la, não há como trazer o Flash de volta; depois de instalada no dispositivo de uma pessoa, ela não pode ser desinstalada.

Qualquer tentativa de trazer o Flash de volta para o seu dispositivo, segundo a Microsoft, só funcionará se você restaurar o sistema para as configurações de pré-atualização ou reinstalar totalmente o sistema operacional Windows.

A atualização é o último prego no caixão do Flash. A Adobe havia anunciado em 2017 que encerraria a distribuição e as atualizações como parte do processo apropriadamente chamado de “fim de vida”.

Desde então, o navegador Chrome, do Google, começou a desabilitar o player por padrão, assim como o Firefox. O navegador Edge, da Microsoft, cortará oficialmente seus laços com o Flash Player em dezembro, mas a empresa permitirá ele como um plug-in quando o navegador for executado no modo Internet Explorer.

Embora a lenta marcha do Flash para o túmulo tenha sido recebida com alegria por pessoas que apontam como a tecnologia é desatualizada, cheia de erros e falhas de segurança, também há algo profundamente triste nisso. Nosso conceito de humor esquisito de internet nasceu, em parte, graças aos desenhos animados baseados em Flash zombando de tudo o que você possa imaginar, de unicórnios a texugos à Terceira Guerra Mundial. Antes de atualizar o navegador de sua escolha para eliminar permanentemente esse pedaço da história da Internet, lembre-se de que foi graças ao Salad Fingers que os atuais TikTokers góticos existem hoje.