A Microsoft oficializou nesta quinta-feira (24) a nova versão de seu sistema operacional. O Windows 11 é descrito pela empresa como uma plataforma personalizada que visa “trazer o usuário para as coisas que ele gosta”. Se isso é verdade, só vamos descobrir quando o software for de fato lançado, o que ainda não tem data para acontecer. No entanto, já podemos afirmar que o software traz a maior mudança visual há anos, incluindo a nova barra de tarefas, uma Microsoft Store repaginada, suporte para apps Android e mais umas coisinhas.

Mesmo sem revelar muitos detalhes, a Microsoft também promete que essa será a versão mais segura na história do Windows. E que o sistema receberá updates com mais frequência e em tamanhos até 40% maiores do que os pacotes atuais. Então, hora de conhecer o novo Windows 11.

Assine a newsletter do Gizmodo

Gratuito para quem tem Windows 10

É isso mesmo: quem já tem um computador ou notebook com Windows 10 poderá baixar o Windows 11 gratuitamente, desde que a máquina atenda a alguns requisitos mínimos: CPU de 64-bit, 4 GB de memória RAM e 64 GB de armazenamento interno.

A nova interface

O logo do Windows 11 mostra que a Microsoft quis dar um look mais minimalista e moderno ao sistema. Portanto, saem de cena os quadrados distorcidos das versões anteriores e entram blocos no mesmo tamanho, mas ainda na cor azul.

Os rumores das últimas semanas que apontavam um layout mais limpo e organizado no novo Windows eram mesmo verdadeiros. O Menu Iniciar, que ficava todo jogado para a esquerda, agora ficará com os apps centralizados, igual ao que já acontece no macOS e ChromeOS. As janelas passaram a ter cantos levemente arredondados e com um fundo mais neutro, embora o sistema ainda ofereça os tradicionais modos claro e escuro.

Inclusive, o fundo das janelas adota um tom translúcido quando várias páginas ficam sobrepostas. Também chama atenção que as animações entre uma janela e outra parecem mais naturais e fluidas.

De olho na produtividade

Pensado como um sistema operacional com foco em produtividade, o Windows 11 contará com o chamado Snap Layouts, que oferece diversos modos para dividir e agrupar as janelas dos apps — por exemplo, dividir as páginas em duas ou três colunas, uma coluna à esquerda e duas em cima da outra à direita, entre outras opções. Alguns programas de terceiros já faziam isso, mas agora a função estará inclusa como um recurso padrão da plataforma.

Se precisar usar algum outro serviço que não esteja nessa visualização, é possível agrupá-lo no Snap Group, que salva uma espécie de preset para cada configuração personalizada que você montar. Assim, fica mais fácil para alterar entre uma opção de trabalho, de estudo, jogo, ou qualquer outra atividade que você queira deixar bem separada.

O Edge também ganhará novidades. A mais legal delas é que as abas do navegador agora poderão ficar posicionadas na vertical. Isso deve ajudar a encontrar uma página específica em meio a múltiplas abas abertas, uma vez que elas não ficam espremidas umas nas outras na horizontal. Lembrando que o layout na vertical não é obrigatório.

Assine a newsletter do Gizmodo

Microsoft Teams sela o destino do Skype

O Teams agora é um aplicativo nativo do Windows. Pela exibição, o funcionamento será bem parecido ao FaceTime do macOS: ao abrir o programa (que ficará na barra de tarefas), será exibida uma lista com todos os seus contatos, facilitando o início de uma nova chamada. Me pergunto com fica a situação do Skype, que está cada dia mais esquecido no churrasco.

Widgets

O Windows também ganhará widgets, e a função se chama… Windows Widgets. A Microsoft diz que se trata de um recurso que funciona como um “feed personalizado e alimentado por inteligência artificial”. O usuário pode acrescentar cards de previsão do tempo, notícias, mapas, imagens, calendário e outras opções. Parece uma extensão do que estamos acostumados a ver nos widgets do Android e mais recentemente do iOS, só que em tamanho maior.

Windows 11 para tablets

É verdade que o Windows 10X não vingou para dispositivos com duas telas. Mas ele está sendo reaproveitado em tablets. Uma das funções usadas como exemplo é no teclado, que pode ser “destacado” e ficar flutuando em um determinado ponto da tela — e isso sem afetar o restante da janela. Além disso, novos tablets com Windows 11 ganharão uma experiência de toque háptico ao utilizar uma caneta stylus. Pela demonstração, é praticamente o mesmo Windows 11 do PC, só que em uma tela menor e portátil.

Games

O Windows 11 terá configurações dedicadas para games. Isso inclui uma função de HDR automático, que adiciona essa característica sem que o jogador precise ativá-la manualmente, de um jeito semelhante ao que já acontece nos consoles Xbox. Por falar nisso, o serviço Game Pass, assim como o Teams, agora é integrado diretamente no novo sistema operacional, o que significa que games inclusos no catálogo de assinatura poderão ser iniciados pelo app do Xbox. Títulos também poderão ser comprados pelo aplicativo, que ainda oferece compatibilidade com a plataforma de streaming na nuvem xCloud.

Uma nova Microsoft Store

Uma das maiores mudanças no Windows 11 é a Microsoft Store. Com um design muito mais bonito e intuitivo, a loja terá suporte para qualquer aplicativo, no que a companhia afirma querer trazer “todo o tipo de tecnologia”. Prova disso é que apps de Android serão compatíveis com o novo sistema. Na transmissão, foi possível ver o TikTok ser iniciado pela barra de tarefas e me pareceu funcionar bem, como qualquer outro programa construído para Windows.

Para completar, os desenvolvedores que hospedarem suas ferramentas na Microsoft Store terão 100% dos lucros, além de terem a possibilidade de usar o sistema de pagamento que desejarem caso ofereçam compras in-app. Certamente, uma estratégia agressiva para atrair mais interessados em desenvolver para a plataforma da Microsoft, ainda mais quando lembramos que a Apple fica com até 30% da receita de cada aplicativo hospedado na App Store.