Há uns dois anos, falamos de um plano britânico maluco para tentar amenizar o lixo espacial: consistia em usar arpões e redes para tentar trazer parte desses materiais para a Terra e, então, destruí-los. Segundo pesquisadores do Centro Espacial de Surrey, no Reino Unido, os testes da missão RemoveDEBRIS vão finalmente começar.

A tentativa dos japoneses de limpar o lixo espacial fracassou
Ideia da China para destruir lixo espacial com laser é legal, mas não passa de um plano

A RemoveDEBRIS consiste em algumas técnicas para recolher dejetos espaciais. Entre elas estão atirar uma rede, usar um arpão e uma vela de arrasto. A ideia é que esses itens sejam anexados ao lixo espacial, diminuindo sua velocidade para forçar que eles voltem para a atmosfera e sejam desintegrados durante a volta à Terra. Abaixo, vão alguns gifs pra entender:

O arpão:

harpao-lixoespacial

A rede:

rede-lixoespacial

E a vela de arrasto:

dragsail-lixoespacial

O grande problema é que, para esse processo acontecer naturalmente, pode levar décadas, e existem mais de 6.800 toneladas de lixo espacial ao redor da Terra na órbita baixa. A grande questão desses detritos é o risco de colisão.

Só a Estação Espacial Internacional já teve de mudar de posição algumas vezes para evitar o contato com esses restos de foguete e outros itens jogados no espaço por astronautas. Existe também o risco de esses itens baterem em satélites de serviços que usamos.

Voltando aos testes, ainda são necessários uns passos iniciais. O satélite DebrisSat já foi lançado da Estação Espacial Internacional e, em outubro, deve começar o teste com a rede. Com o arpão, os experimentos devem começar em dezembro, enquanto a vela de arrasto deve começar em fevereiro de 2019. Além disso, a equipe fará testes no sistema de câmeras para a detecção dos detritos.

Durante a simulação, a missão vai tentar capturar um lixo espacial simulado usando uma rede e um arpão. Após terminarem esses experimentos, será liberada uma vela de arrasto que levará o satélite de volta à Terra para ser destruído.

“Após quase cinco anos de desenvolvimento, é animador finalmente estar numa posição na qual podemos fazer testes em campo com essas tecnologias empolgantes. Se der certo, as tecnologias presentes na RemoveDEBRIS podem ser incluídas em outras missões num futuro próximo”, disse o professor Guglielmo Aglietti, diretor do Centro Espacial de Surrey e principal pesquisador da missão.

Os satélites que contam com esses limpadores espaciais foram levados à Estação Espacial Internacional (ISS) em abril, durante um lançamento do foguete Dragon, da Space X.

[Governo britânico e Gizmodo ES]

Imagem do topo: Centro Espacial de Surrey