Se você quer ter certeza de que todos os seus arquivos estão a salvo, é uma boa ideia manter backups em vários lugares. Essa é a ideia básica por trás do Rosetta Wearable Disc. O arquivo de mil idiomas diferentes utilizados em 2016 estão gravados em texto microscópico nesse pingente do tamanho de uma moeda. Ao produzir múltiplas cópias, linguistas podem assegurar que existirá uma chance maior do arquivo sobreviver por muitos séculos.

• Discos rígidos atômicos podem armazenar grandes quantidades de dados em pouco espaço físico
• Microsoft testa DNA que pode armazenar 1 trilhão de gigabytes em um grama

Idealizado pelo pessoal do Rosetta Project – cujo o objetivo é criar uma versão moderna da famosa Pedra de Roseta, para que as futuras gerações tenham uma ferramenta para traduzir textos – o disco foi desenvolvido para durar até o ano 12000 d.C. Isto é, assumindo que a humanidade ainda estará por aqui, é claro.

O Rosetta Wearable Disk é feito de níquel e mede apenas 2 centímetros de diâmetro. Ele é fabricado por um processo similar ao utilizado para fazer microchips: pequenos pedaços de níquel são atraídos para uma placa de vidro onde está gravada a documentação de mil páginas. No final do processo, parece que toda a informação foi gravada na superfície do disco. É possível usar uma lupa para olhar para cada página, mas para realmente ler o texto é necessário um microscópio capaz de ampliar até 150 vezes.

disco-rosetta-arquivo

E como você pode comprar um desses discos? Para poder usar um Rosetta Wearable Disk no seu pescoço será preciso fazer uma doação de pelo menos US$ 1.000 (R$ 3.180 na cotação atual). Além disso, a disponibilidade será bem limitada.

O alto custo se deve em parte pelo processo de fabricação que permite que muitos dados sejam amontoados numa pequena superfície. Comparado com o risco de se colocar arquivos de texto num cartão microSD, ficam poucas dúvidas de que esses registros ainda serão acessíveis daqui a vários séculos.

disco-rosetta-verso

[The Rosetta Project via Laughing Squid]