Faz menos de um ano que dos primeiros aparelhos da família Moto G8 — as versões Play e Plus chegaram em outubro do ano passado. Mesmo assim, o sucessor já foi lançado na Índia. O Moto G9 traz câmera atualizada, bateria maior e carregador mais potente.

Começando por aquilo que não mudou: os 4 GB de RAM e os 64 GB de armazenamento continuam os mesmos do Moto G8. O processador é outro, um Snapdragon 662 no lugar do Snapdragon 665 do modelo do ano passado. As especificações são parecidas — processo de litografia de 11 nm e até 2 GHz de clock — mas há diferenças em outros recursos, como suporte a Wi-Fi 6 e Bluetooth 5.1.

As principais diferenças estão na tela, nas câmeras, na bateria e no carregador . A tela é um pouco maior, com 6,5 polegadas contra as 6,3 do modelo anterior, e maior na alturas, com proporção 20:9 em vez do 19,5:9. A resolução continua a mesma HD+ do modelo anterior, com 720 pixels na largura.

Nas câmeras, o conjunto continua sendo triplo, mas o sensor principal agora é de 48 megapixels — antes, um sensor com esta resolução só estava disponível na versão Plus. Por outro lado, não há mais câmera ultrawide: uma lente macro e um sensor de profundidade completam o conjunto. Na frente, uma câmera selfie de 8 megapixels em um recorte em formato de “V” na tela.

A bateria cresceu de 4.000 mAh para 5.000 mAh, equiparando-se à versão Power da linha. O carregador também é mais potente: um adaptador de tomada de 20 W acompanha o aparelho, uma evolução considerável em relação ao de 10 W do modelo anterior.

Curiosamente, no design, o Moto G9 parece mais com o Moto E7 Plus que apareceu em um vazamento recente do que com o Moto G9 Plus daquelas imagens. As câmeras ficam em um módulo quadrado saltado no meio da traseira e não em um conjunto vertical no canto do aparelho.

Por enquanto, o Moto G9 foi anunciado na Índia e chega às lojas do país no dia 31 de agosto. Ainda não há informações do aparelho por aqui. Por lá, ele custa 11.500 rupias, o equivalente a US$ 154 ou a R$ 865. O Moto G8, modelo atual, tem preço sugerido de R$ 1.500.

[El Androide Libre, Android Central]

[produto_amazon1]

O Gizmodo Brasil pode ganhar comissão sobre as vendas. Os preços são obtidos automaticamente por meio de uma API e podem estar defasados em relação à Amazon.