Um acidente fatal com um Tesla Model X no “modo piloto automático” que aconteceu em 2018 na Califórnia, EUA, teve sua investigação concluída. As autoridades de trânsito disseram que o motorista estava jogando em seu celular na hora da batida.

A investigação do NTSB (National Transportation Safety Board, órgão que investiga acidentes de veículos) concluiu que Walter Huang, engenheiro de software da Apple e desenvolvedor de games de 38 anos, não realizou tentativas de frear ou parar o veículo e que ele estava com as mãos fora do volante. Seu Tesla Model X estava no modo semi-autônomo “Autopilot” a cerca de 110 km/h quando se chocou numa barreira de proteção e foi atingido por outros dois veículos.

As autoridades disseram que a batida foi muito parecida com outras que aconteceram com veículos autônomos. O órgão americano quer que as montadoras, reguladores do governo e empresas que fabricam smartphones tomem mais ações para evitar esse tipo de acidente.

Tesla Model X destruído em acidente na CalifórniaTesla Model X que era conduzido por Walter Huang. Crédito: Captura de tela do canal ABC News 7

“Se você tem um carro com automação parcial, você não tem um veículo autônomo. Então pare de fingir que você tem um”, disse o presidente da NTSB, Robert Sumwalt. “Isso significa que quando você está dirigindo em um suposto modo autônomo você não pode dormir. Você não pode ler um livro. Você não pode assistir a uma série de TV. Você não pode enviar mensagens. E você não pode jogar videogame. E foi exatamente o que descobrimos que esse motorista estava fazendo.”

Sumwalt disse ainda que a Tesla não respondeu às recomendações de segurança da NTSB que foram enviadas há 881 dias. A companhia, segundo o Guardian, diz que seus dados internos mostram que os motoristas que usam a função Autopilot batem menos do que quando dirigem manualmente.

O presidente do órgão também culpou a Apple pelo acidente. Segundo ele, a companhia não tem políticas eficientes para evitar distrações ao dirigir. A companhia enviou ao Verge um comunicado em que aponta para a sua página de suporte para a função “Não Perturbe ao Dirigir“.

Por fim, Sumwalt criticou também a NHTSA (Administração Nacional de Segurança no Trânsito Rodoviário) por não regular e fiscalizar ativamente as soluções semi-autônomas oferecida pelas montadoras.

A NTSB fez nove recomendações de segurança para evitar acidentes como esse.