Uma canadense foi presa por contrabandear cocaína após publicar fotos dela mesma no Instagram. Ela foi sentenciada a no mínimo quatro anos e nove meses de prisão. Melina Roberge, 24 (à esquerda na foto que abre este post), estava curtindo a vida adoidada em um cruzeiro de férias, mas com uma carga de drogas ilícitas avaliada em US$ 30 milhões.

Instagram quer que influenciadores sejam mais honestos sobre posts pagos
O Instagram começou a dedurar algumas pessoas que tiram prints de Stories

“Eu devia estar lá e só fingir que estava de férias, ser uma cobertura para os outros”, disse Melina na audiência de condenação, segundo informa a CNN. “Sinto muito mesmo, eu deveria ter pensado nas consequências, e não no que eu ganharia por aquilo.”

Melina e sua cúmplice, Isabelle Lagacé (à direita na foto que abre este post), foram detidas em agosto de 2016 em Sydney, na Austrália — a última parada da viagem delas. No entanto, seu julgamento só ocorreu recentemente. O jornal Star noticia que as autoridades receberam pistas tanto do Serviço de Fronteira do Canadá como do Departamento de Segurança dos Estados Unidos.

Agentes de imigração, a polícia australiana e cães farejadores estavam esperando o navio, o MS Sea Princess, chegar ao porto. Os quase 100 kg de cocaína foram encontrados nas malas de Melina Isabelle. Eles também encontraram cocaína em uma mala pertencente a Andre Jorge Tamin, 63, que foi descrito como sugar daddy de Melina. Todos os três eram canadenses e se declararam culpados por importar uma quantidade comercial de drogas.

Uma das malas apreendidas pela polícia australiana. O total da apreensão foi de 95 kg de cocaína. Imagem: polícia da Austrália

Durante a aventura marítima, as mulheres postaram fotos delas mesmas bebendo drinks de coco no Taiti e dirigindo buggies no Peru, só para citar algumas das coisas que elas fizeram. As fotos que tinham a hashtag #travelinspo foram removidas do Instagram.

De acordo com o News Corp., da Austrália, Melina pode ter ganhado até US$ 100 mil pelo contrabando de drogas.

“Ela não estava fazendo por necessidade”, disse o promotor Tom Muir durante o interrogatório. “Fazia isso pelo estilo de vida de que gostava de desfrutar.”

Imagem do topo: Instagram