O projeto Asteroid Redirect Mission (ARM) da NASA é um plano ambicioso (e polêmico) para capturar um asteroide, desviá-lo para a órbita lunar e, em seguida, enviar astronautas para retirar amostras. A missão é um trampolim para a viagem a Marte, e hoje a NASA finalmente anunciou como ela vai funcionar.

>>> NASA revela detalhes da missão para capturar um asteroide
>>> Por que capturar um asteroide é crucial para o futuro da humanidade

Desde o início da ARM, havia duas opções:

  • capturar um asteroide bem pequeno e redirecioná-lo para a Lua;
  • pousar uma nave em um asteroide maior, tirar um pedaço de 12 m, e rebocá-lo para a Lua.

Em uma conferência à imprensa, a NASA anunciou que seguirá esta última opção.

Há duas razões principais para usar a alternativa B. Em primeiro lugar, há muito mais alvos possíveis: asteroides grandes perto da Lua são mais abundantes, enquanto corpos menores não refletem muita luz solar, por isso é difícil detectá-los.

Em segundo lugar, o desembarque de um robô num asteroide dará à NASA uma chance melhor de testar a tecnologia que acabará por levar os seres humanos a Marte.

Quando?

A escolha final do asteroide será feita até 2019, e a missão será lançada em 2020, para chegar ao asteroide dois anos depois. De lá, a nave iria pegar uma grande rocha e realizar algumas pesquisas, arrastando-a de volta à Lua até 2025.

Dessa forma, a exploração humana do asteroide acontecerá depois da EM-2, a segunda missão de testes da cápsula Orion e do foguete SLS (Sistema de Lançamento Espacial), atualmente prevista para 2021.

A ideia é enviar astronautas para o asteroide na Orion, para a coleta de amostras, e então retorná-la para a Terra. Em dezembro, a cápsula fez seu primeiro voo de testes no espaço: ela chegou a 6.000 km acima da Terra, fez duas órbitas e voltou à atmosfera, caindo no Oceano Pacífico e sendo recapturada.

A missão vai levar alguns anos para acontecer pois a NASA precisa finalizar o foguete SLS e desenvolver tecnologias de propulsão – como a SEP, que usa a luz solar como combustível – e de monitoramento de asteroides.

NASA
Astronauta trabalhando em um asteroide capturado após o acoplamento com o veículo Asteroid Redirect/NASA

De asteroides a Marte

Por que explorar um asteroide? Há vários motivos: isso nos dará informações sobre a composição e estrutura de corpos celestes, o que pode ser crucial para o entendimento da origem do sistema solar.

A experiência também pode nos ajudar a capturar asteroides maiores para mineração, permitindo obter recursos para usar na Terra ou no espaço. Muitos asteroides são ricos em elementos raros na Terra, e podem ser minerados mais efetivamente no espaço.

A missão também servirá para testar tecnologias de propulsão e monitoramento que poderão nos levar a Marte. Afinal, a ARM é uma espécie de prêmio de consolação: há uma década, a ideia era levar humanos à Lua até 2020, e a Marte nos anos seguintes. No entanto, os EUA ficaram sem dinheiro para uma exploração espacial tão ambiciosa, e precisaram rever os planos.

Aparentemente, há pouco entusiasmo dentro da NASA pela missão Asteroid Redirect, cujo conselho consultivo chama de “beco sem saída” para uma missão a Marte. Nem mesmo os astronautas estariam empolgados em ir para um asteroide – eles preferem a Lua. Bem, agora o plano é levar parte do asteroide à Lua. Será o bastante para deixar todos mais animados? [NASA via SpaceNews]

Imagem inicial: NASA