Cinco meses se passaram desde que os cientistas tiveram, pela última vez, notícia da sonda Opportunity, que entrou em modo de hibernação depois de uma tempestade de poeira tomar todo o planeta e escurecer os céus de Marte. Mas parece que a NASA não tem planos de reduzir sua busca pelo rover, pelo menos “no futuro previsível”, segundo um comunicado.

A busca pela sonda é um esforço em duas frentes, com um componente de escuta “ativo” e um “passivo”. Anteriormente, informamos que o período de escuta ativa duraria 45 dias, mas esse número foi estendido para a “temporada de limpeza de poeira”.

“Sabemos que o período de novembro a janeiro de 2019 corresponde a uma época anual de limpeza de poeira no local da Opportunity na Cratera Endeavour”, disse Steve Squyres, investigador principal dos rovers de exploração de Marte Spirit e Opportunity, em entrevista à Planetary Society. “Então, a escuta ativa durante janeiro é um impulso para as nossas chances de ouvir a sonda se seus painéis estiverem muito empoeirados agora.”

A Nasa espera que os ventos marcianos eliminem parte da poeira dos painéis solares da Opportunity, permitindo que a sonda gere energia e desperte.

No final de maio, uma pequena tempestade de poeira rapidamente se tornou um evento global no planeta vermelho. Embora esses tipos de tempestades ocorram ocasionalmente, a deste ano foi uma das mais fortes já registradas. O rover Curiosity, movido a energia nuclear, resistiu muito bem à tempestade, mas a Opportunity, alimentada por energia solar e que está em Marte há 15 anos, entrou em modo de segurança. Os cientistas torceram pelo melhor, mas se preocuparam com a possibilidade de que a sonda não suporte o frio.

A NASA começou a procurar a Opportunity assim que a tempestade de poeira se dissipou. Seus esforços incluem um componente de “escuta ativa”, em que eles enviam sinais ao rover na esperança de acordá-lo, assim como um componente de “escuta passiva”, que envolve a espera de um sinal da rede de receptores de rádio da NASA que a agência usa para se comunicar com suas sondas espaciais.

Foi amplamente noticiado que o componente de escuta ativa duraria 45 dias, mas o novo comunicado de imprensa afirma que a atual estratégia continuará, com uma reavaliação em janeiro de 2019.

A lógica por trás da decisão é que a Opportunity estava bem no centro da tempestade de poeira. É possível que a poeira tenha se sobreposto aos painéis solares, impedindo que ela carregue sua bateria. Durante a estação atual, os ventos sopram de tal forma que podem derrubar um pouco dessa poeira. A Curiosity já teve um pouco do seu pó limpo, de acordo com a Planetary Society.

A Opportunity se tornou uma sonda carismática para a agência espacial. Depois de ter sobrevivido ao seu período inicial de 90 dias, ela gerou muitos resultados científicos sobre a história das rochas marcianas e sobre a água no planeta. As pessoas da NASA e de todo o mundo estão torcendo por ela.

Alguns se queixaram que esta estação demonstrou que a infraestrutura da NASA está envelhecendo. Afinal de contas, tanto os telescópios Hubble como Chandra enfrentaram falhas que os levaram a entrar no modo de segurança, e tanto a missão Dawn a caminho de Ceres quanto a missão de exoplaneta do Kepler terminaram recentemente. Mas todas essas missões foram, na verdade, sucessos enormes que duraram muito mais do que o previsto.

Felizmente, há outras missões com que nos entusiasmarmos. O telescópio espacial James Webb está programado para ser lançado em 2021. A OSIRIS-REx está quase no asteroide Bennu, e o Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) já começou a descobrir novos exoplanetas no lugar do Kepler. Duas novas missões, InSight e Mars2020, vão estudar ainda mais o planeta vermelho.

É difícil ver uma missão amada como a Opportunity morrer, e esperamos que, de fato, o rover acorde em breve. Estamos felizes que a NASA apoie a equipe o suficiente para continuar buscado por ela. Mas mantenha a cabeça erguida, porque o espaço e a ciência marciana seguem em frente — e continuarão assim, se os votos dos americanos forem para políticos que valorizem a ciência espacial.

[Planetary Society via MER]

Siga o Gizmodo Brasil no Instagram