A NASA conseguiu instalar um computador de backup do Telescópio Espacial Hubble, de acordo com uma postagem no Twitter da equipe de mídia social do telescópio. O anúncio traz um alívio para os amantes do espaço, após um mês de ansiedade sobre se a tecnologia do telescópio poderia ser ressuscitada depois que caiu em um modo de segurança não operacional, em meados de junho.

Agora com 31 anos, o Hubble é um cidadão idoso no que diz respeito à tecnologia espacial. Seu sucessor, o Telescópio Espacial James Webb, deve ser lançado neste ano, após vários atrasos. O Hubble já havia entrado no modo de segurança várias vezes, mas a última tentativa demorou tanto que parecia impossível trazer o telescópio de volta à vida.

No início, a equipe da NASA acreditou que o desligamento automático do telescópio poderia ter sido causado por um módulo de memória antigo. Nesta quinta-feira (15), a equipe definiu a Unidade de Controle de Energia (PCU) como o problema real . A PCU alimenta o computador de carga útil do telescópio constantemente; se os 5 volts de eletricidade que ele fornece variarem para mais ou para menos, o telescópio interrompe suas operações. As tentativas de reinicializar a PCU não funcionaram, então a NASA decidiu mudar para o hardware de backup. Foi uma medida desesperada após inúmeras tentativas de solucionar o problema.

A mudança para hardware de backup se provou eficaz. Segundo um comunicado de imprensa da NASA, a equipe agora começou a recuperar os instrumentos científicos de seus respectivos modos de segurança a bordo da espaçonave — um processo que levará quase um dia todo. Depois de terem certeza que os instrumentos estão em temperaturas estáveis ​​e calibrados corretamente, o Hubble irá retomar as operações científicas normais.

Assine a newsletter do Gizmodo

Em breve, o fardo de se manter vivo não existirá mais para o Hubble, ainda mais depois que o poderoso telescópio JWST chegar ao espaço e começar a observar o cosmos. Mas confesso que não seria uma má ideia os dois trabalharem juntos. Resta saber se a NASA também considera essa possibilidade.