Quem imaginaria que um pedacinho de Westeros chegaria até a fronteira final? No sábado (18), um foguete Falcon 9, da SpaceX, levará o módulo espacial “three-eyed” Raven (Corvo de Três Olhos) ao seu destino, ao lado da Estação Espacial Internacional (EEI). Quando estiver lá, o Raven usará seus sensores para coletar informações sobre chegadas e partidas de espaçonaves para que a NASA possa desenvolver uma tecnologia de navegação para viagens autônomas ao espaço — algo muito mais simples dito do que feito.

• Sonda da NASA que irá se encontrar com asteroide ganhou uma missão secundária
• Como o cérebro de um astronauta é afetado por uma viagem espacial

“Duas espaçonaves se encontrando de forma autônoma é crucial para muitas missões futuras da NASA, e o Raven está amadurecendo essa tecnologia nunca antes tentada”, afirmou em comunicado de imprensa Ben Reed, vice-chefe de divisão da Satellite Servicing Projects Division (SSPD), no Centro de Voos Espaciais Goddard, da Nasa.

Cinco dias após o lançamento, o Raven, de tamanho de bagagem de mão, será removido do “porta-malas” despressurizado de uma cápsula Dragon, da SpaceX, pelo Dextre, um braço robótico autorreparador ligado à EEI. O Raven pousará em velocidade e imediatamente começará a usar seus sensores e algoritmos diversos para calcular a distância entre si e a espaçonave próxima. O módulo processará essa informação para girar na direção do veículo em questão, prosseguindo com o acompanhamento. Os operadores da NASA estarão, do chão, monitorando o desempenho de observação deste robô que tudo vê e fazendo os ajustes necessários.

nasa-spacexMódulo espacial Raven, da NASA (Imagem: Chris Gunn, Centro de Voos Espaciais Goddard, da NASA)

Há inúmeros benefícios na criação de um sistema de navegação relativa que não requer intervenção humana. Para começar, essa tecnologia tornaria o reabastecimento e a manutenção de satélites muito mais fáceis. Afinal, se os satélites não são reparados rápido o bastante, ou nunca reabastecidos, eles viram lixo espacial. A NASA espera especificamente usar a tecnologia desenvolvida no Raven para ajudar uma missão futura, programada para a próxima década, em que o servidor robótico Restore-L irá reabastecer e realocar o satélite de monitoramento da Terra Landsat 7. Ao remover o erro humano e os atrasos de comunicação da equação, o sistema de navegação relativa do Raven irá ajudar nossas mecânicas robóticas espaciais futuras a se conectarem com seus alvos mais rapidamente e com maior precisão.

A expectativa é de que o Raven conduza suas funções na Estação Espacial Internacional pelos próximos dois anos. Desejamos o melhor para esse pequeno passarinho.

[NASA]

Imagem do topo: Centro de Voos Espaciais Goddard